Yoan Valat/EFE/EPA
Yoan Valat/EFE/EPA

Bombeiros enfrentam a polícia durante manifestação em Paris

Categoria é contra a reforma da previdência de Macron e reivindica um aumento no adicional de periculosidade

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2020 | 21h35

Bombeiros entraram nesta terça-feira, 28, em confronto com a polícia, em Paris, durante uma manifestação da categoria contra a reforma da previdência do presidente Emmanuel Macron. Os policiais usaram gás lacrimogêneo e cassetetes contra os socorristas, que também foram às ruas da capital francesa para pedir melhores condições de trabalho e um aumento salarial. 

Os bombeiros saíram em protesto com seus trajes de trabalho, com capacete e roupas contra o fogo, e também com os rostos pintados como o personagem de Joaquin Phoenix, no filme Coringa. De acordo com uma publicação da polícia de Paris no Twitter, pelo menos 300 profissionais socorristas tentaram bloquear a Avenida Parmentier, uma das principais vias da cidade, o que “forçou a intervenção das forças da lei”, disse a polícia. 

Autoridades francesas reclamaram que os bombeiros não cumpriram uma promessa de não marcharem com sua roupa de serviço. A categoria não comentou a acusação da polícia. Alguns integrantes da tropa chegaram a atear fogo em si mesmos, para que depois seus companheiros usassem extintores para apagar as chamas.

Entre as reivindicações da categoria está a manutenção da idade da aposentadoria, estabelecida aos 57 anos – o governo quer uma idade mínima de 62 anos, com progressividade, que chegaria a 65 anos após um período que ainda é negociado. 

‘Bônus do fogo’

A ideia de Macron é unificar os mais de 40 regimes previdenciários que estão em vigor no país. Além de ser contra a reforma previdenciária, os bombeiros também pedem um aumento no adicional de periculosidade da categoria – que é conhecido como “bônus do fogo”, para 28% do salário. 

De acordo com os manifestantes, esse acréscimo está congelado em 19% desde 1990. A categoria ainda exige outros reajustes financeiros e iniciativas de combate às agressões contra bombeiros. Pelo menos 17% de todo o efetivo do país registrou queixa de agressão em 2018, conforme o Observatório Nacional da Delinquência e Respostas Criminais, órgão associado ao governo.

Estatísticas oficiais apontam que há hoje pelo menos 248 mil bombeiros na França – quase 80% deles são voluntários. Do restante, segundo a própria categoria, 40,5 mil são profissionais e 12,5 mil possuem o chamado status militar, como os bombeiros de Paris e de Marselha, as duas maiores cidades do país. A categoria já havia se manifestado em outubro do ano passado./ EFE e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.