Bonino pára greve de fome na Itália

A líder política italiana Emma Bonino afirmou nesta quinta-feira que estava pondo um fim à sua greve de fome devido ao fato de que sua saúde estaria chamando mais atenção do que sua causa - a cobertura da mídia para os pequenos partidos nas eleições italianas."As pessoas estão falando mais de minha condição de saúde do que da democracia e da liberdade", disse ela em um comunicado. Nesta quinta-feira, no sexto dia de greve de fome, Bonino começou a ingerir líquidos. Mais tarde, ingeriu um pouco de comida. Ela deu entrada nesta quarta-feira à noite no Hospital San Paolo de Milão. Na ocasião, os médicos afirmaram que estavam muito preocupados com o estado de saúde da paciente e vários líderes políticos pediram para que ela cessasse sua manifestação. Bonino, de 53 anos, ex-comissária da União Européia, começou a greve de fome em protesto pelo pouco tempo que a televisão italiana reserva aos partidos pequenos que concorrem nas eleições gerais do dia 13. Atualmente, ela dirige o Partido Radical, um dos menores do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.