Andrew Milligan/Pool via REUTERS
Andrew Milligan/Pool via REUTERS

Boris Johnson acusa UE de ameaçar Londres com 'bloqueio' alimentar

Primeiro-ministro defende projeto de lei enviado ao Parlamento que descumpre parte do acordo do Brexit firmado com o bloco europeu

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2020 | 11h23

LONDRES - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, defendeu neste sábado, 12, sua intenção de não cumprir parcialmente o acordo do Brexit ante a "ameaça" de que a União Europeia (UE) estabeleça um "bloqueio" alimentar na Irlanda do Norte, perigoso para a "paz e a unidade" do Reino Unido.

O governo britânico apresentou ao Parlamento na quarta-feira, 9, um projeto de lei sobre o mercado interno que dá o poder ao Executivo britânico de tomar decisões unilaterais em questões comerciais da Irlanda do Norte. 

O texto, que contradiz em parte o acordo que rege a saída do país da UE, complica as negociações que começaram em março sobre a futura relação entre o Reino Unido e a UE. 

Em um texto publicado no jornal britânico The Daily Telegraph, Johnson explica que se viu obrigado a chegar ao extremo e admite que o projeto de lei representa uma violação do direito internacional.

Ele, porém, justifica sua decisão pelas "ameaças" dos europeus de "destruir a integridade econômica e territorial do Reino Unido por meio de uma interpretação extrema" do texto do Brexit que foi "negociado de boa-fé".

"Dizem agora que se não aceitarmos as condições da UE, esta utilizará uma interpretação extrema do protocolo da Irlanda do Norte para impor uma fronteira comercial completa", disse Johnson.

De acordo com o chefe do governo britânico, Bruxelas não apenas poderia impor tarifas de importação aos produtos que entram na província a partir do restante do país, como também poderia impor um "bloqueio" e impedir "o transporte de alimentos até a Irlanda do Norte". 

"Tal interpretação colocaria seriamente em perigo a paz e a estabilidade na província britânica", marcada por três décadas de violência até a assinatura do acordo de paz da Sexta-Feira Santa, em 1998, afirmou Johnson. 

O primeiro-ministro pediu aos deputados conservadores que apoiem seu projeto de lei, que será debatido no Parlamento na segunda-feira, 14. Alguns deles, no entanto, já expressaram mal-estar com o fato de o país não cumprir seus compromissos.

"Não podemos deixar o poder de dividir nosso país nas mãos de uma organização internacional", destacou Johnson, antes de assegurar aos deputados que é "vital" aprovar o projeto de lei para "acabar com esta possibilidade".

O ministro alemão das Finanças, Olaf Scholz, advertiu o Reino Unido sobre as consequência de um fracasso das negociações com a UE sobre um acordo comercial pós-Brexit.

Uma situação não regulamentada teria "consequências muito significativas para a economia britânica. A Europa poderia enfrentá-las (...) com os preparativos que já fizemos", avaliou, após uma reunião em Berlim de ministros das Finanças da UE.

O alemão, no entanto, afirmou que espera um bom resultado nas discussões com Londres.

As autoridades europeias, com Dublin à frente, denunciam os planos de Johnson como uma ameaça à estabilidade. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.