STF / AFP
STF / AFP

Boris Johnson amplia vantagem e corrida para suceder a May agora tem cinco candidatos 

O ex-ministro das Relações Exteriores obteve 126 votos sobre um total de 313 deputados conservadores

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2019 | 14h39
Atualizado 19 de junho de 2019 | 11h40

LONDRES - O deputado conservador e ex-chanceler Boris Johnson ampliou nesta terça-feira, 18, sua vantagem na corrida para suceder a primeira-ministra britânica, Theresa May, vencendo por ampla margem a segunda rodada de votação. Agora, restam apenas cinco candidatos na disputa. O "tory" (como são conhecidos os conservadores) que vencer as primárias da legenda herdará, além disso, o cargo de primeiro-ministro britânico.

Boris Johnso, também ex-prefeito de Londres, obteve 126 votos sobre um total de 313 deputados conservadores. Dominic Raab, que foi brevemente ministro do Brexit, foi eliminado por não alcançar 10% do apoio. O ministro das Relações Exteriores Jeremy Hunt somou 46 votos, o ministro de Meio Ambiente Michael Gove, 41, o ministro do Desenvolvimento Internacional Rory Stewart, 37, e o ministro do Interior, Sajid Javid, 33 votos.

Os parlamentares conservadores escolherão nesta semana em sucessivas votações, entre quarta e quinta-feira, dois finalistas, que serão submetidos à eleição por correio entre os cerca de 160 mil filiados do Partido Conservador, um processo que terá o resultado revelado no fim de julho.

Stewart, o candidato mais moderado com relação ao Brexit e o único que se opõe a uma ruptura não negociada com a União Europeia (UE), superou as expectativas ao passar do corte da segunda votação. Na primeira eleição, na semana passada, o ministro de Desenvolvimento Internacional tinha sido o menos respaldado dos candidatos que seguiram adiante, com 19 apoios.

A líder conservadora anunciou a intenção de renunciar no fim de maio, depois que o Parlamento rejeitou em três ocasiões o acordo do Brexit que tinha negociado com Bruxelas.

Johnson, o favorito para ser o próximo chefe do governo, assegura que, se ocupar o escritório do número 10 da Downing Street, fará com que o Reino Unido abandone a UE em 31 de outubro - data limite para ratificar um pacto - mesmo que os termos de saída não tenham sido aprovados. / EFE e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.