EFE/EPA/Neil Hall
EFE/EPA/Neil Hall

Boris Johnson anuncia plano de reabertura ‘com cautela’ no Reino Unido

Primeiro-ministro pede para a população ficar ‘alerta’ e diz que é preciso ir ‘com calma para não tropeçar’

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2020 | 22h10

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, manteve o bloqueio do país para tentar controlar o coronavírus até o dia 1.º de julho, mas apresentou seu plano de desconfinamento progressivo. O Reino Unido é o segundo país do mundo com mais mortes pela covid-19. 

Duramente criticado por seu relaxamento inicial e por decidir o confinamento mais tarde que seus vizinhos europeus, Johnson, que chegou a ser internado na UTI depois ser infectado pela covid-19, se tornou um ferrenho defensor da prudência e da paciência.

Johnson pediu à população para “ficar alerta”, amenizando sua advertência anterior de “ficar em casa”, enquanto o Reino Unido se prepara para relaxar seu bloqueio após sete semanas. “É preciso ir com calma, para não perder o controle e tropeçar.”

Em um discurso transmitido pela TV, Johnson disse que as pessoas poderiam se exercitar ao ar livre, tomar sol nos parques e voltar ao trabalho, se não puderem fazê-lo em casa. Fora isso, disse ele, as restrições permaneceriam em vigor até o fim de junho, quando as escolas também deverão voltar a funcionar. “Este não é o momento de simplesmente encerrar o bloqueio”, disse Johnson, ao creditar ao distanciamento social o retardamento da propagação do vírus. “Estamos tomando as primeiras medidas cuidadosas para modificar nosso bloqueio.”

Com 31.855 óbitos por coronavírus, o Reino Unido tem o maior número de mortos na Europa e o segundo maior do mundo, depois dos Estados Unidos.

Hoje, o governo fará a divulgação oficial do plano e o primeiro-ministro informará o Parlamento sobre as diretrizes.

Atualmente, os britânicos podem sair de casa apenas para trabalhar se for imprescindível, para ir ao médico, fazer compras ou exercícios uma vez ao dia.

Esvaziados desde o início do confinamento, os grandes parques londrinos já registraram neste fim de semana uma multiplicação das atividades.

Diante das graves consequências econômicas das sete semanas de confinamento, o governo estuda permitir o retorno aos locais de trabalho das pessoas que não podem optar por dar expediente em casa.

O governo anda estuda a possibilidade de estabelecer uma quarentena de 14 dias para todas as pessoas que entrarem no país, exceto as procedentes da Irlanda, e aumentar as multas para quem infringir as regras de confinamento. / NYT e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.