AFP PHOTO / UK PARLIAMENT / JESSICA TAYLOR
AFP PHOTO / UK PARLIAMENT / JESSICA TAYLOR

Boris Johnson continuará no comando do governo britânico, diz ministro da Habitação

Primeiro-ministro foi internado no domingo para ser submetido a exames, já que tem apresentado sintomas persistentes da covid-19

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2020 | 04h35

O primeiro-ministro britânicoBoris Johnson, continuará liderando o governo, disse o ministro da Habitação Robert Jenrick nesta segunda-feira, 6, depois que o líder britânico passou a noite no hospital para exames. Johnson ainda sofre com os sintomas persistentes do novo coronavírus.

"Ele está trabalhando duro, liderando o governo e sendo constantemente atualizado, isso vai continuar", disse à BBC TV. Jenrick afirmou, ainda, que o primeiro-ministro foi fazer exames de rotina e que “está indo bem”.

O ministro das Relações Exteriores, Dominic Raab, deve substituí-lo, na manhã desta segunda, durante a coletiva de imprensa diária dedicada à covid-19.

Sintomas persistentes

Boris Johnson foi internado neste domingo, 5, para ser submetido a exames, de acordo com a versão oficial. Trata-se de uma medida preventiva, já que ele tem apresentado continuamente sintomas da covid-19, dez dias depois de testar positivo para o vírus.

O primeiro-ministro britânico, de 55 anos, tornou-se no dia 27 de março o primeiro líder de uma grande potência a anunciar que testou positivo para o coronavírus. Ele se isolou em um flat em Downing Street e, na sexta-feira, informou que ainda estava lá por apresentar temperatura alta. A noiva grávida de Johnson, de 32 anos, Carrie Symonds, também teve sintomas, mas disse no sábado que estava se sentindo melhor.

Isolado em um apartamento, com comida trazida à sua porta, Johnson continuou a liderar o governo e tem presidido as reuniões por videoconferência.

Ele postou uma série de mensagens em vídeo desde então, aparecendo inicialmente de terno e gravata. Entretanto, no último post, na sexta-feira, 3, ele parecia cansado, sentado em uma cadeira com a camisa aberta no pescoço.

"Embora eu esteja me sentindo melhor e tenha feito meus sete dias de isolamento, infelizmente ainda tenho um dos sintomas, estou com febre", disse ele. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.