Tolga Akmen / AFP)
Tolga Akmen / AFP)

Boris Johnson, da despreocupação com o coronavírus à hospitalização

Após receber alta, premiê britânico deve reforçar confinamento no combate ao coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2020 | 20h43

LONDRES - O primeiro-ministro do Reino UnidoBoris Johnson, recebeu alta neste domingo, 12, do Hospital St Thomas, no centro de Londres, onde estava internado desde domingo passado.

A alta de Johnson representa um importante passo para a melhora da sua saúde, e marca uma guinada na maneira como o premiê lidou com a pandemia de coronavírus no Reino Unido. Após receber alta, Johnson agradeceu aos funcionários do Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS, na sigla em inglês) por terem "salvado minha vida". O NHS é o sistema de saúde pública do Reino Unido. 

Há um mês, Boris Johnson abordava a crise do coronavírus com descontração e continuou "cumprimentando todos". O Reino Unido é agora um dos países mais atingidos na Europa pela pandemia e, depois de uma semana no hospital, agradeceu às equipes de saúde por terem salvo a sua vida.

Em 12 de março, Johnson chamou a pandemia de "a pior crise de saúde pública em uma geração" e alertou que muitos britânicos perderiam entes queridos.

Mas a estratégia de seu governo continuava a divergir das medidas radicais adotadas por outros países da Europa, onde o confinamento já estava em vigor e as escolas fechadas.

Aos repórteres, Johnson repetia sua recomendação de lavar bem as mãos "durante o tempo necessário para cantar 'Parabéns pra você' duas vezes". 

Para aqueles com mais de 70 anos, considerados mais vulneráveis ao coronavírus, ele simplesmente desaconselhava ir a um cruzeiro.

Essa estratégia, destinada a promover uma "imunidade coletiva", gerou polêmica.

Mudança e confinamento

Diante das críticas crescentes, e especialmente após um alarmante estudo científico que anunciava 250.000 mortes se medidas de distanciamento social não fossem tomadas, o governo Johnson começou a mudar de rumo.

Em 16 de março, ele pediu à população que evitasse o contato social "não essencial" e as viagens "desnecessárias", promovendo o teletrabalho.

Mas a ordem para fechar escolas, bares, restaurantes, cinemas e academias só veio dias depois, em 20 de março.

Em 23 de março, Johnson finalmente se dirigiu ao país pela televisão e ordenou solenemente um confinamento de três semanas. 

Johnson governa da quarentena

Quatro dias depois, Johnson pegou todos de surpresa quando anunciou que havia testado positivo para a COVID-19. Ele alegou que seus sintomas eram "leves" e, apesar de se isolar em seu apartamento em Downing Street, continuou trabalhando, usando videoconferências para presidir as reuniões ministeriais. 

No entanto, parecia cansado e enfraquecido nas mensagens de vídeo que postava no Twitter para pedir aos britânicos que ficassem em casa.

Em 31 de março, tuitou uma foto da primeira reunião do conselho de ministros realizada inteiramente online. Dois dias depois apareceu na porta de sua residência oficial para aplaudir os profissionais da saúde do país.

Agravamento e hospitalização

Após os sete dias recomendados pelas autoridades britânicas, o premiê precisa prolongar sua quarentena porque a febre não diminui.

Em 4 de abril, sua companheira grávida, Carrie Symonds, diz que está se recuperando depois de ter sintomas do coronavírus. 

No entanto, após um excepcional discurso televisionado da rainha pedindo aos britânicos que resiliência, vem a notícia de que o primeiro-ministro está hospitalizado "como medida de precaução" devido a sintomas persistentes, particularmente a febre. 

Vinte e quatro horas depois, ele foi transferido para terapia intensiva no Hospital St Thomas, onde recebeu oxigênio, mas não precisou de respirador. 

Depois de deixar os cuidados intensivos na quinta-feira, permaneceu hospitalizado até este domingo, lendo Tintin, fazendo sudokus e assistindo filmes, segundo a imprensa. 

A partir de agora, ele se recuperará na residência oficial de Chequers, no noroeste de Londres. Mas antes ele quis agradecer aos profissionais de saúde que "salvaram sua vida" e, em particular, às enfermeiras presentes na cabeceira da cama por 48 horas.

Apesar de ter recebido alta, Johnson não retornará ao trabalho. Quem está no comando do país desde 7 de abril é o primeiro secretário de Estado, Dominic Raab. O primeiro-ministro fez questão de agradecer a todos em St Thomas pelo “brilhante cuidado que recebeu”. “Seus pensamentos estão com aqueles que foram afetados por esta doença."/ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.