10 Downing Street / AFP
10 Downing Street / AFP

Boris Johnson deixa a UTI, mas continua internado

Johnson foi internado no último domingo após o tratamento contra o novo coronavírus em casa não ter apresentado resultado

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2020 | 15h30
Atualizado 12 de abril de 2020 | 21h02

LONDRES - O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deixou a unidade de terapia intensiva (UTI) nesta quinta-feira, 9, após três dias. Ele permanece internado no Hospital Saint Thomas, em Londres, para o tratamento da Covid-19, doença provocada pelo coronavírus (Sars-CoV-2).    

Johnson, de 55 anos, "foi transferido esta tarde dos cuidados intensivos à sala geral, onde estará sob estreita vigilância na fase inicial de sua recuperação", afirmou um porta-voz de do Número 10 de Downing Street. "Ele está extremamente de bom humor", disse o porta-voz.

Johnson chegou a ser tratado com oxigênio, mas não precisou de respiração mecânica. Ele começou ontem a se levantar da cama e "interagir" com a equipe médica, aumentando o otimismo sobre sua condição. De acordo com o Daily Telegraph, o premiê está sendo tratado por um dos principais especialistas do Reino Unido em questões pulmonares.

Johnson foi internado no último domingo após o tratamento contra o novo coronavírus em casa não ter apresentado resultado. Após anunciar que estava infectado, no dia 27 de março, ele passou a cumprir autoisolamento para tratar a doença.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

O premiê Johnson deixou temporariamente as rédeas do governo para o ministro das Relações Exteriores, Dominic Raab, que hoje à tarde concedeu uma entrevista coletiva na qual informou que o número de pessoas que morreram no Reino Unido com a doença aumentou em 881 no último dia, para um total de 7.978.

O chanceler destacou que ainda não é possível prever o auge da pandemia, e por isso as medidas de isolamento adotadas pelo governo serão prorrogadas para além da próxima segunda-feira, quando termina o período inicial de três semanas. / AFP e ANSA  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.