AFP
AFP

Boris Johnson se casa 'em segredo' com cerimônia discreta na catedral de Westminster

Premiê britânico e sua noiva, Carrie Symonds, adiaram cerimônia por conta da pandemia

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2021 | 19h23

LONDRES - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, casou-se neste sábado, 29, com sua noiva, Carrie Symonds, em uma cerimônia secreta A notícia foi inicialmente divulgada por veículos de imprensa britânicos e depois confirmada por seu gabinete.

Boris Johnson, de 56 anos, conhecido por sua agitada vida amorosa, casou-se com Symonds, de 33 anos, na catedral católica de Westminster, em Londres, na presença de amigos próximos e familiares.

Os tabloides Mail on Sunday e The Sun foram os primeiros a noticiar. No início deste domingo, o gabinete do primeiro-ministro confirmou a informação: "O primeiro-ministro e a senhora Symonds se casaram ontem à tarde em uma pequena cerimônia na Catedral de Westminster. O casal vai celebrar o casamento com família e amigos no próximo verão".

Johnson tornou-se, assim, o segundo primeiro-ministro britânico a se casar durante seu mandato, depois de Robert Jenkinson em 1822.

O casal esperava há meses para se casar, após ter adiado a cerimônia, prevista para o ano passado, por causa da pandemia. Eles ficaram noivos em dezembro de 2019 e têm um filho de um ano, Wilfred.

Assistiram à cerimônia cerca de trinta pessoas - o máximo autorizado atualmente -, após terem sido convidadas de última hora, segundo o Mail on Sunday.

O casamento foi celebrado pelo mesmo sacerdote que batizou o filho do casal - que também esteve presente na cerimônia -, acrescentou o The Sun.

Boris já tinha se casado duas vezes. Teve quatro filhos com sua esposa anterior, a advogada Marina Wheeler, de quem se separou em 2018. Ele teria também uma filha nascida de um caso amoroso.

Quando foi eleito, em 2019, Johnson se tornou o primeiro chefe de governo a residir em Downing Street com sua companheira sem estar casado.

Carrie Symonds, uma ex-encarregada de comunicação do Partido Conservador, teve o filho semanas depois de Johnson deixar a unidade de terapia intensiva em que recebeu tratamento após ter contraído o coronavírus. /AFP e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.