Jessica Taylor/Casa dos Comuns/AP
Jessica Taylor/Casa dos Comuns/AP

Boris Johnson sofre sétima derrota seguida no Parlamento do Reino Unido

Premiê é alvo de críticas por retórica agressiva no debate com deputados, em meio a polêmica sobre o Brexit

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2019 | 12h33

LONDRES - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, sofreu nesta quinta-feira, 26, a sétima derrota consecutiva no Parlamento. Por 306 votos contra 289, os deputados rejeitaram a proposta conservadora de um breve recesso na próxima semana, de segunda a quarta-feira, para permitir que os membros do partido governamental participem do congresso anual da formação.

O Parlamento retomou suas atividades na quarta-feira, depois que a Suprema Corte declarou ilegal a decisão de Johnson de suspender as sessões durante cinco semanas, às vésperas do fim do prazo para um acordo do Brexit com a União Europeia.

Para Entender

Quais os caminhos para Johnson e para o Brexit com a volta do Parlamento britânico?

Decisão da Suprema Corte fará deputados retomarem atividades três semanas antes do desejado pelo premiê britânico

Na quarta-feira, Johnson sofreu uma avalanche de críticas por sua oratória, considerada incendiária e perigosa no acalorado debate do Brexit, que divide a sociedade britânica.

"Ontem (...) palavras raivosas foram pronunciadas, a atmosfera era tóxica", lamentou o presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, que chamou os deputados a se tratarem como oponentes e não como inimigos. 

Johnson partiu para ofensiva na quarta-feira, quando os deputados voltaram ao trabalho, em uma sessão marcada por violentos confrontos verbais.

Ele se recusou a se desculpar pelos comentários e criticou repetidamente os deputados por aprovar uma "lei de rendição" que o forçaria a solicitar um novo adiamento do Brexit. O premiê prometeu não trair a decisão do povo britânico, que em plebiscito optou por deixar a União Europeia, mesmo que fosse obrigado pelo Parlamento.

Retórica de Johnson atrai críticas de parlamentares

Segundo deputados da oposição e até mesmo do partido de Johnson, o premiê usa uma linguagem que pode incentivar a violência política. Nos debates de ontem, Johnson mencionou a deputada anti-Brexit, a trabalhista Jo Cox, que foi assassinada por um homem de extrema-direita durante a campanha pelo referendo.

Este ano, a segurança teve que ser aumentada nos últimos meses para proteger vários deputados que relataram ter recebido ameaças de morte por suas posições relativas ao Brexit.

"Muitos de nós sofremos ameaças de morte e abusos todos os dias", disse a Johnson a deputada trabalhista Paula Sherriff, pedindo ao primeiro-ministro que "modere sua linguagem".

 

"Devo dizer que nunca ouvi tamanha falsidade na minha vida", respondeu Johnson, considerando que a melhor maneira de honrar Cox "seria, acredito, realizar o Brexit", o que causou uma onda de indignação.

"Me deixa doente que o nome de Jo seja usado dessa maneira", tuitou o marido de Jo Cox, Brendan, que em declarações à rádio BBC criticou a linguagem "irresponsável" usada pelos políticos de ambos os lados, acusando-os de exacerbar as divisões sociais sobre a saída britânica da UE.

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, acusou Johnson de usar uma linguagem "indistinguível da linguagem da extrema-direita".

Posição de Johnson desagrada conservadores

Até alguns membros do Partido Conservador governista pareciam incomodados. "Em um momento de sentimentos contraditórios, todos devemos estar cientes do impacto do que dizemos sobre aqueles que nos observam", disse o ministro da Cultura e Mídia, Nicky Morgan.

"A linguagem que está usando causa muitos danos à nossa democracia", considerou, por sua vez, o neto de Winston Churchill, Nicholas Soames, expulso do Partido Conservador por se rebelar contra Johnson.

Mais tarde, foi a vez da irmã de Boris Johnson se unir às críticas. "Meu irmão usa palavras como 'rendição' e 'capitulação', como se as pessoas que estão no caminho da sagrada vontade do povo, como definido pelos 17,4 milhões de votos em 2016, tivessem que ser enforcadas, afogadas, esquartejadas e cobertas por penas", disse Rachel Johnson ao canal Sky News.

"Eu penso que tudo isto é muito repreensível", completou a jornalista, contrária ao Brexit.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.