Tolga Akmen / AFP)
Tolga Akmen / AFP)

Boris Johnson tem alta mas não volta a comandar o Reino Unido

Seguindo recomendação médica, primeiro-ministro britânico fará recuperação da covid-19 em sua casa de campo em Chequers

Célia Froufe, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2020 | 10h01

LONDRES - O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, recebeu alta neste domingo, 12, do Hospital St Thomas, no centro de Londres, onde estava internado desde domingo passado. A informação foi divulgada há pouco por Downing Street, o endereço oficial do governo local. O premiê continuará o período de recuperação de sua saúde em Chequers, residência de campo oficial do primeiro-ministro britânico.

 A conselho de sua equipe médica, Johnson não retornará ao trabalho. Quem está no comando do país desde 7 de abril é o primeiro secretário de Estado, Dominic Raab. O primeiro-ministro fez questão de agradecer a todos em St Thomas pelo “brilhante cuidado que recebeu”. “Seus pensamentos estão com aqueles que foram afetados por esta doença."

No Twitter, Johnson agradeceu aos funcionários do Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS, na sigla em inglês) por terem "salvado minha vida". O NHS é o sistema de saúde pública do Reino Unido. 

Johnson, de 55 anos, foi o primeiro líder mundial a declarar que estava infectado com o coronavírus, no dia 27 de março, quatro dias depois de a quarentena começar oficialmente no país. Na ocasião, ele se autoisolou por causa da Covid-19 e disse que continuaria à frente das decisões britânicas com a ajuda de meios tecnológicos, mas por causa da persistência dos sintomas foi levado ao hospital no domingo passado, no momento em que a rainha Elizabeth II fazia sua declaração extraordinária ao país sobre o vírus.

 Na segunda-feira, ele foi encaminhado à Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) por causa de complicações em seu quadro de saúde. Ele apresentava dificuldades respiratórias e recebeu oxigênio, mas não chegou a usar um ventilador mecânico.

Neste domingo, o Ministério da Saúde britânico registrou 737 novas mortes pelo coronavírus nas últimas 24 horas. O total de mortos passou para 10.612.

A avaliação do governo é a de que o pico da doença no país esteja cada vez mais perto. Há temores de que o número de casos e de mortes no Reino Unido possa ultrapassar o da Itália e da Espanha, os países mais afetados até o momento na Europa. A quarentena iniciou em solo britânico há três semanas e havia a perspectiva de que uma avaliação sobre seu resultado fosse divulgado nesta segunda.

Com a piora de saúde de Johnson, a análise foi suspensa, mas o Executivo é obrigado a mostrar sua avaliação ao Parlamento até o dia 19. Os ministros já falam informalmente que o confinamento se estenderá até pelo menos maio e porta-vozes da área da saúde não descartam a possibilidade de haver extensão até julho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.