Bové acusa Israel de apartheid

O francês Jose Bové, que se tornou famoso por atacar um restaurante McDonald´s nas proximidades de sua fazenda de carneiros, acusou hoje Israel de promover uma política de apartheid, e comparou a Cisjordânia e Faixa de Gaza com a Bósnia e Kosovo.Um porta-voz do governo israelense respondeu que a comparação carece de base.O fazendeiro francês disse a repórteres que seu grupo veio à região para tentar parar o que eles vêem como roubo de terras palestinas e a violação dos seus direitos econômicos e humanos.Bové, 47 anos, afirmou ter visto vilas palestinas isoladaspelo Exército israelense nos últimos oito meses, desde o inícioda atual onda de violência. Moradores só têm permissão de entrare sair a pé. Ele disse que vilas estão sendo circundadas por assentamentosjudeus, suas estradas tradicionais sendo cortadas por novasrodovias construídas apenas para atender às necessidades doscolonos, e suas terras sendo confiscadas para os assentamentosou porque o Exército as declarou território militar. Muitas oliveiras foram arrancadas pelo Exército como puniçãopelos protestos palestinos, segundo ele. Não existejustificativa militar para as ações, considerou. As Forças Armadas israelenses afirmam ter arrancado árvoresusadas como cobertura por palestinos para promoverem emboscadasou para plantar bombas em beira de estradas. Mas Bové acusou queo real objetivo é mostrar aos palestinos que eles não têmcontrole sobre suas vidas. "Trata-se realmente de uma situação de apartheid", disseele. "Esperamos que isso não prossiga, porque depois doapartheid sabemos o que ocorreu poucos anos atrás nos Bálcãs, naBósnia e em Kosovo", comentou. Posteriormente, Bové explicou que não estava acusando Israelde promover assassinato em massa ou limpeza étnica. Ele afirmouque a situação nos territórios palestinos é como a queprevaleceu na Bósnia e em Kosovo nos primeiros estágios doconflito, quando vilas muçulmanas foram isoladas pelos sérvios,e muçulmanos foram privados de seus meios de vida e empregos. Raanan Gissin, porta-voz do primeiro-ministro Ariel Sharon,disse que a comparação com o apartheid, Bósnia e Kosovo é"desprovida de fundamento". Gissin acusou o líder palestino Yasser Arafat de tornar asmedidas israelenses necessárias. "Porque ele continua com o incitamento, colonos estão sendomortos e não temos escolha senão isolar cidades e vilaspalestinas", argumentou. Bové foi detido brevemente pela polícia de Israel naquarta-feira junto com outros ativistas dos direitos humanosfranceses, israelenses e palestinos, por terem promovido umamanifestação na vila palestina de El-Khader, Cisjordânia. Elesprotestavam contra o bloqueio de uma rodovia e o confisco deterras da vila para a expansão de um assentamento judeupróximo. Bové tornou-se um símbolo dos ativistas antiglobalizaçãoquando ele liderou um ataque em agosto de 1999 contra umrestaurante McDonald´s em construção no sopé de uma colina emMillau, no sul da França. Ele vive no platô logo acima.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.