BP tinha sido criticada meses antes de acidente nos EUA

Órgãos reguladores britânicos haviam criticado os procedimentos de treinamento para segurança da BP no Mar do Norte meses antes de uma explosão num poço da empresa, no Golfo do México, causar o maior vazamento marítimo de petróleo da história.

TOM BERGIN E DANIEL FINEREN, REUTERS

15 de setembro de 2010 | 10h22

O Departamento de Energia e Mudança Climática (DECC, órgão do governo britânico que monitora o cumprimento de regras de segurança pelas empresas) também intimou a BP por não realizar adequadamente exercícios contra vazamentos de óleo.

A Executiva de Saúde e Segurança (HSE, também do governo) informou em carta à BP que havia "evidências de uma cultura entre seus subcontratados -- a Seawell (nos principais níveis da administração) -- de trabalhar fora dos procedimentos, autorizações ou condições para as autorizações."

Essas informações foram divulgadas por jornais britânicos, que tiveram acesso aos documentos da HSE e DECC, com base numa legislação sobre direito à informação.

A divulgação das críticas dos órgãos do governo à BP foi feita somente agora, pouco antes de o presidente-executivo da empresa, Tony Hayward, comparecer nesta quarta-feira a uma comissão parlamentar britânica para discutir questões de segurança no Mar do Norte.

A empresa disse ter respondido anteriormente às críticas do DECC e afirmou que agora está cumprindo totalmente os regulamentos.

Sobre a crítica da HSE à "cultura" da empresa, a BP disse: "A carta da HSE no ano passado é relativa a comentários feitos por um subcontratado. Representantes de segurança na plataforma consideram amplamente que os comentários não refletem a realidade da cultura de segurança e das práticas da plataforma."

(Reportagem adicional de Richard Solem em Oslo)

Tudo o que sabemos sobre:
GERALBPSEGURANCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.