Braço da Al-Qaeda confirma morte de número 2 no Iêmen

O braço iemenita da Al-Qaeda confirmou nesta quarta-feira que o número 2 do grupo, Saeed al-Shihri, foi morto num ataque de aviões teleguiados realizado pelos Estados Unidos. O anúncio, colocado em sites militantes, não indicou a data de morte do saudita, que foi prisioneiro em Guantánamo.

Agência Estado

17 de julho de 2013 | 08h57

Apesar disso, a confirmação é significativa, já que Al-Shihri havia sido considerado morto duas vezes antes, informações negadas pelo grupo terrorista. Sua morte é considerada um grande golpe para o braço da Al-Qaeda no Iêmen, conhecido como Al-Qaeda na Península Arábica.

Autoridades de segurança iemenitas informaram que Al-Shihri morreu em razão dos sérios ferimentos sofridos após um ataque com avião teleguiado em novembro do ano passado. Al-Shihri havia sobrevivido a um outro ataque de avião não tripulado em setembro de 2012, informaram autoridades, que falaram em condição de anonimato.

A anúncio desta quarta-feira foi feito por meio de um vídeo que supostamente mostra o principal teólogo do grupo, Ibrahim al-Robaish, fazendo elogios a Al-Shihri. No vídeo, Al-Robaish diz que Al-Shihri foi atingido pelo disparo do avião teleguiado enquanto falava em seu telefone celular na província de Saadah, ao norte da capital iemenita, Sanaa.

A autenticidade do vídeo, cuja existência foi relatada pela primeira vez pelo grupo de monitoramento norte-americano SITE, não pôde ser confirmada de forma independente, mas foi postado em sites militantes geralmente usados pela Al-Qaeda.

Al-Shihri, também conhecido como Abu Sufyan al-Azdi, lutou no Afeganistão e passou seis anos em Guantánamo. Ele voltou para a Arábia Saudita no final de 2007 e posteriormente fugiu para o Iêmen, onde se uniu ao braço local da Al-Qaeda. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IêmenAl-Qaedalídermorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.