Braço direito de Cristina Kirchner é alvo de denúncias

O ministro argentino do Planejamento Federal e Obras, Julio de Vido - considerado o braço direito da presidente Cristina Kirchner na área econômica - é apontado pela oposição como o coordenador de supostas pressões e ofertas a deputados para que ajudassem a aprovar o orçamento de 2011, debatido no plenário da Câmara na semana passada.

AE, Agência Estado

17 de novembro de 2010 | 07h54

Entre os partidos que indicam De Vido como o principal responsável está o Projeto Sul, de esquerda, comandado pelo cineasta e deputado Fernando ?Pino? Solanas. O secretário parlamentar do partido, Mario Mazzitelli, afirmou que parlamentares de seu bloco receberam pressões e ofertas de suborno de assessores do poderoso ministro.

A líder da Coalizão Cívica, a deputada Elisa Carrió, afirmou que há suspeitas sobre 12 parlamentares da oposição, que se retiraram repentinamente do plenário antes da votação. A ausência deles, no entanto, não permitiu a vitória do governo, já que a oposição derrubou o projeto de lei da presidente Cristina por 117 votos a 112. A oposição afirma que outros 15 deputados receberam telefonemas do governo com pressões e ofertas para mudar de voto ou deixar o plenário na votação.

O deputado Carlos Kunkel, um dos principais aliados da presidente Cristina, retrucou as acusações e afirmou que ocorreu o contrário, já que deputados da oposição "estiveram procurando os ?sobres? (envelopes, gíria para as propinas) e agora dizem que nós tentamos suborná-los". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.