Brasil ajudará Haiti a refazer seu Exército

O Brasil vai ajudar o Haiti a recompor suas Forças Armadas, banidas desde 1995 após várias tentativas de golpe contra o então presidente Jean-Bertrand Aristide. Em um encontro ontem entre o ministro da Defesa do Brasil, Celso Amorim, e seu colega haitiano, Jean Rodolphe Joazile, foi acertado que o governo brasileiro enviará uma missão de militares ao país para fazer um diagnóstico da situação.

LISANDRA PARAGUASSU , BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2012 | 03h08

A recomposição das Forças Armadas haitianas é uma das principais promessas de campanha do presidente Michel Martelly, eleito no ano passado, que estaria sob pressão dos mesmos homens que, vindos do Exército, formaram uma milícia que derrubou Aristide em 2004.

Mesmo sem ser uma força formal, os milicianos mantiveram armas e aterrorizaram o país até o envio de tropas de paz. No início do ano, no entanto, as milícias voltaram a ocupar os antigos quartéis e, em abril, deram um ultimato a Martelly cobrando a reformulação do Exército.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.