Brasil apóia proposta da ONU para término de conflito no Líbano

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, apoiou nesta quinta-feira o pedido do secretário-geral da ONU, Kofi Annan, para o término imediato dos ataques israelenses no Líbano. O presidente expressou em carta enviada a Annan que o fim das hostilidades na região é condição necessária para que sejam fincadas bases de uma paz "negociada, justa e duradoura" entre Líbano e Israel."É fundamental que o Conselho de Segurança atue com rapidez para pôr fim ao conflito", assinala a carta, segundo o Palácio do Planalto. "Repudiamos o terrorismo, mas não podemos deixar de condenar, nos termos mais veementes, a ação desproporcional e o uso excessivo da força que provocou a morte de um grande número de civis, inclusive mulheres e crianças, assim como a destruição de grande parte da infra-estrutura do Líbano", expressou Lula em sua carta.O presidente acrescentou que o Brasil também sofreu as conseqüências do conflito, pois até hoje entre as vítimas fatais do fogo cruzado entre Israel e a milícia xiita Hezbollah há sete brasileiros.Além disso lamentou a morte de quatro observadores da Força Provisória das Nações Unidas para o Líbano (Finul) e lembrou que o Brasil reúne o maior número de libaneses e seus descendentes fora do próprio Líbano.Cartas com o mesmo conteúdo foram enviadas pelo governante brasileiro aos chefes de Estado e de Governo dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU: China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.