Brasil aprova venda de mísseis para o Paquistão

Cem projéteis de curto alcance, supersônicos, são usados em caças para perseguições a pequena distância

Agência Brasil,

03 Dezembro 2008 | 08h45

O governo brasileiro aprovou na terça-feira, 2, a venda para o Paquistão de cem mísseis ar-ar, informou o ministro da Defesa, Nelson Jobim. Segundo a Mectron, a fabricante, os mísseis são de curto alcance, supersônicos, dotados de um sistema de detecção de alvo por infravermelho e costumam ser usados em caças para perseguições a pequena distância. O acordo foi assinado em abril, mas dependia da aprovação de Brasília.   Jobim destacou que se trata de uma operação com o governo do Paquistão, ou seja, um negócio entre dois Estados. Os mísseis vão custar 85 milhões de euros, e a aprovação da operação, já referendada pela Força Aérea Brasileira (FAB), significa garantia do país em relação ao fabricante, a Mectron, por intermédio do Banco do Brasil e do BNDES.   Segundo Jobim, o fornecimento dos mísseis vai desenvolver a capacidade produtiva da empresa, elevando em 500% sua produção. Trata-se de empresa pequena, mas de alta tecnologia, que produzirá mísseis para equipar aeronaves, com capacidade de anti-radiação e possibilidade de destruir radares.

Mais conteúdo sobre:
PaquistãoBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.