Brasil cria missão para mediar disputa

Países vizinhos vão intermediar diálogo entre Evo e oposição

Denise Chrispim Marin, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

12 de setembro de 2008 | 00h00

Preocupado com os conflitos na Bolívia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva mobilizou ontem, com seu colega boliviano, Evo Morales, e outros líderes da região o Grupo de Amigos da Bolívia para tentar intermediar o diálogo entre La Paz e a oposição regional. No final da tarde, o assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, deixou escapar o temor do Palácio do Planalto em relação à uma possível tentativa de golpe ao dizer que "o Brasil não reconhecerá nenhum governo que se proponha a substituir o governo da Bolívia". "Não toleraremos a ruptura do ordenamento constitucional", afirmou Garcia.Lula tratou da intermediação internacional com a argentina Cristina Kirchner e o venezuelano Hugo Chávez, enquanto seu assessor procurava autoridades colombianas. Ele pretendia telefonar, à noite, para a chilena Michelle Bachelet. Segundo Garcia, ao falar com Lula, Evo mostrou-se pessimista com relação ao diálogo com a oposição. Na conversa, o brasileiro também teria insistido na necessidade de proteção militar às instalações do setor de gás.Ontem, um avião da Aeronáutica esperava um sinal de Evo para levar Garcia e o secretário-geral das Relações Exteriores, Samuel Pinheiro Guimarães, a La Paz para iniciarem o trabalho de intermediação do Grupo de Amigos da Bolívia. Até a noite, o avião não tinha decolado.Garcia afastou a alternativa de Chávez, que ofereceu ajuda militar ao governo boliviano, e insistiu que a contribuição da vizinhança se dará na esfera diplomática.Fontes do Palácio disseram ao Estado que Evo está convocando movimentos aliados a proteger o governo de ataques de setores mais radicais da oposição e, por isso, os confrontos tornaram-se inevitáveis. Segundo Garcia, para tomar o controle da situação, o governo boliviano terá de adotar medidas aparentemente contraditórias - agir com firmeza para restabelecer a lei e a ordem e atenuar suas posições em relação à autonomia regional, à partilha do imposto sobre hidrocarbonetos e ao referendo da Constituição (as reivindicações da oposição). "Esperamos uma solução rápida para evitar uma guerra civil", afirmou Garcia. "Uma guerra civil implicaria uma resposta muito dura dos países (da região)."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.