Brasil diz 'acompanhar com atenção' situação no Egito

Em nota, Itamaraty afirma esperar que 'nações amigas encontrem solução pacífica'

Agência Estado

28 de janeiro de 2011 | 14h19

 

SÃO PAULO - O Ministério das Relações Exteriores do Brasil divulgou comunicado nesta sexta-feira, 28, em que afirma que o governo do País "acompanha com atenção o desenrolar dos acontecimentos no Egito, na Tunísia e no Iêmen".

 

Veja também:

especial A revolução que abalou o mundo árabe

mais imagens Os protestos no Egito e na Tunísia

blog  Gustavo Chacra: acompanhe a situação no Egito

 

"O governo brasileiro expressa sua expectativa de que as nações amigas encontrarão o caminho de uma evolução política capaz de atender às aspirações da população em ambiente pacífico e sem interferências externas, de modo a dar suporte ao desenvolvimento econômico e social em curso", afirma a nota do Itamaraty.

 

O texto lembra que o Brasil e os demais países da América do Sul "desenvolvem cooperação crescente com os países árabes" e cita também a III Cúpula América do Sul-Países Árabes (ASPA), marcada para 16 de fevereiro. "Será uma oportunidade de renovação do diálogo com lideranças da região", diz o texto.

 

Dezenas de milhares de pessoas protestam no Egito contra o governo do presidente Hosni Mubarak desde a terça-feira. Na Tunísia, protestos culminaram na semana passada com a deposição do presidente Zine El Abidine Ben Ali, que estava no poder havia 23 anos. No Iêmen, também há protestos reunindo milhares de pessoas contra o governo.

 

A nota da chancelaria brasileira lembra ainda que "o Egito é um importante parceiro do Mercosul", notando que em 2010 foi assinado um acordo de livre comércio entre o país e o Mercosul. "O bloco tem ampliado seu relacionamento com os países árabes, como se verifica nas negociações em curso com Jordânia, Síria e Palestina", finaliza a nota.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilItamaratyEgitoMubarakprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.