Brasil e Chile concordam com retirada gradual de suas tropas no Haiti

'Na realidade, não podemos ficar ali eternamente, porque não é bom nem para nós, nem para o Haiti', diz o ministro da defesa Celso Amorim

Efe,

26 Março 2012 | 20h33

SANTIAGO - O ministro da Defesa, Celso Amorim, e seu colega chileno, Andrés Allamand, concordaram nesta segunda-feira na conveniência de retirar de forma ordenada e paulatina suas tropas do Haiti, onde participam da missão que as Nações Unidas mantêm nesse país.

 

"Na realidade, não podemos ficar ali eternamente, porque não é bom nem para nós, nem para o Haiti, mas também não queremos sair de maneira irresponsável", declarou Amorim ao término de uma reunião com Allamand em Santiago.

 

"Concordamos que temos que buscar uma retirada gradual, pactuada e que não implique em eternizar nossa presença, mas também não em uma saída que não seja cautelosa, considerando quais são as circunstâncias no Haiti", acrescentou o chileno.

 

Em dezembro do ano passado, o governo do Chile propôs retirar no primeiro semestre de 2016 todo o contingente militar e policial que mantém dentro da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), da qual participam atualmente 50 agentes chilenos.

Mais conteúdo sobre:
Haiti Brasil Celso Amorim

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.