Brasil e Espanha tentam vencer veto americano à Venezuela

Espanha e Brasil buscam soluções para o veto dos Estados Unidos à venda de aviões militares com tecnologia americana à Venezuela, segundo indicou hoje o ministro venezuelano de Defesa, almirante Orlando Maniglia."Tanto a Espanha como o Brasil estão fazendo todos os esforços para encontrar soluções para o problema do veto americano, e isto é oportuno e pertinente destacar", disse Maniglia aos jornalistas.O ministro acrescentou que aguarda a proposta da Espanha para substituir os componentes americanos dos aviões de transporte e vigilância marítima."Uma vez que eles (os espanhóis) façam suas análises, têm de nos apresentar, pois isso requer uma modificação de contrato e qualquer proposta de mudança tem de ser registrada e aprovada por nós", disse.Washington proibiu, na última semana, a venda de 12 aviões espanhóis que incorporam alguma tecnologia americana, situação que pode repetir-se com o Brasil, que fornecerá à Venezuela aviões de treino Super Tucano com motor americano.Em resposta ao veto dos EUA, o governo espanhol anunciou que os contratos assinados com a Venezuela para a venda dos aviões militares, por um montante de 1,7 bilhão de euros, "devem ser cumpridos", razão pela qual os componentes fabricados nos EUA serão substituídos por tecnologia de outra origem.O presidente da Venezuela qualificou, na semana passada, a decisão dos Estados Unidos como um "atropelo imperialista" e assegurou que "isto é evidência do horroroso imperialismo que Washington quer impor ao mundo".A Venezuela também comprou da Rússia 10 helicópteros e 100 mil fuzis Kalashnikov. Os primeiros três helicópteros do grupo chegarão ao país no mês de março, segundo informou Maniglia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.