Brasil evita condenar ação do Kremlin

PARIS - O governo do Brasil não condenou a Rússia pela anexação unilateral da Península da Crimeia, território da Ucrânia. A posição de conciliação foi a via escolhida ontem, em Paris, pelo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Luiz Alberto Figueiredo. Questionado durante encontro com o chanceler da França, Laurent Fabius, o brasileiro disse que prefere a negociação e o diálogo.

Andrei Netto, Correspondente - O Estado de S.Paulo

20 de março de 2014 | 02h06

No Ministério das Relações Exteriores, os chanceleres discutiram temas binacionais, mudanças climáticas, a questão nuclear iraniana e a situação de dois países em conflito interno, a Síria e a Ucrânia. A crise no Leste Europeu evidenciou a divergência entre eles.

Questionado se o Brasil não condenaria a anexação da Crimeia pela Rússia, o ministro brasileiro limitou-se a fazer um apelo à moderação. "A Ucrânia é um país amigo do Brasil e devemos acompanhar com muita atenção. Nós apoiamos todos os esforços do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon para uma solução negociada do problema", reiterou. "Creio que os ucranianos devem conversar entre eles para resolver a situação. Todas as partes devem agir com moderação."

Já Fabius disse que a posição da França com relação à Rússia era de firmeza e, ao mesmo tempo, de diálogo. "Não se pode aceitar sem reagir que haja violação do direito internacional", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.