Brasil lamenta início da guerra; Lula fala às 13h15

O governo brasileiro lamentou hoje, por meio de nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, o início das operações militares no Iraque. Na declaração sobre o conflito, o governo lamentou o sofrimento que a ação armada acarretará a inocentes, e defendeu o respeito às normas do direito humanitário internacional. O governo brasileiro faz ainda um apelo para o fim das hostilidades, para a restauração da paz e respeito à integridade territorial do Iraque. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará um pronunciamento, no Palácio do Planalto, às 13h15, sobre a guerra no Iraque. O pronunciamento não será transmitido em rede nacional de rádio e TV. O presidente deixou pouco antes das 9h30 sua residência oficial, o Palácio da Alvorada, e foi para o Palácio do Planalto para discutir com o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, o pronunciamento que fará à Nação. Às 15h, o presidente despachará com o ministro da Defesa, José Viegas e, às 16h, ele vai receber o governador do Amazonas, Carlos Eduardo Braga. Às 17h30, despachará com o ministro dos Transportes, Anderson Adauto. Veja a seguir a íntegra da nota: O governo brasileiro lamenta profundamente o início das operações militares em território iraquiano e que não se tenha perseverado na busca de uma solução pacífica para o desarmamento do Iraque, no marco da Carta das Nações Unidas e das resoluções do Conselho de Segurança, e em conformidade com as inúmeras manifestações de Chefes de Estado, de Parlamentos e da sociedade civil em todos os continentes.Lamentando o sofrimento que a ação armada inevitavelmente acarretará para civis inocentes, o governo brasileiro conclama ao respeito às normas do direito humanitário internacional, em especial no que se refere à proteção das populações civis, ao tratamento de prisioneiros e à proteção do direito das vítimas. O governo brasileiro faz um apelo à cessação de hostilidades, à restauração da paz e ao respeito da integridade territorial do Iraque. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.