Brasil modera posição sobre programa nuclear do Irã

Patriota diz que País pode participar de diálogo, mas não cobra comunidade internacional por presença

Agência Estado

27 de janeiro de 2011 | 08h04

SÃO PAULO - O Brasil apresentou na quarta-feira, 26, em Bruxelas, na Bélgica, uma posição bem mais moderada sobre a questão nuclear iraniana. Em encontros com autoridades da União Europeia (UE), o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, afirmou que Brasília pode participar de negociações sobre as usinas de enriquecimento de urânio, mas não fez cobranças à comunidade internacional para integrar o grupo de negociadores.

 

Veja também:

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

 

O discurso de Patriota contrastou com a posição mais agressiva do ex-chanceler Celso Amorim, que defendia a participação de Brasil e Turquia no grupo negociador, formado por EUA, França, Reino Unido, Rússia, China e Alemanha.

 

Questionado sobre se o Brasil mudaria sua posição diplomática em relação ao Irã no governo de Dilma Rousseff, Patriota se limitou a afirmar que o País continua aberto a participar das mesas de discussões, porém evidenciou uma moderação ao não apelar pela abertura de espaço para seus diplomatas.

 

"O envolvimento maior com o Irã teve a ver com essa busca de uma alternativa diplomática para uma situação de tensão", disse. "Desde que possamos contribuir com alternativas diplomáticas, continuaremos engajados nesse compromisso." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.