Brasil não apoiará ataque ao Iraque, diz Itamaraty

O governo brasileiro não dará seu aval a um ataque ao Iraque sem prévia aprovação pelo Conselho de Segurança da ONU. Foi o que disse o diretor-geral do Departamento de Organismos Internacionais do Itamaraty, embaixador Antônio José Vallim Guerreiro, em entrevista coletiva. "O uso da força só se justificará se houver uma decisão do Conselho de Segurança da ONU ou o exercício de defesa própria", afirmou o embaixador. Segundo ele, um possível conflito no Iraque será sempre considerado pelo governo brasileiro como prejudicial para a comunidade internacional e para o País. Daí a preocupação do governo brasileiro que, até este momento, não recebeu nenhum indício de que haja armas de destruição maciça no Iraque. No discurso que fará na próxima quinta-feira, na Assembléia Geral das Nações Unidas (ONU), em Nova York, o ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, deverá tocar indiretametne nesta questão. Lafer defenderá o fortalecimento do multilateralismo e a tese de que os países devem recorrer a instituições desse gênero para solução de conflitos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.