Brasil nega oferecimento de asilo a Saddam

Causou constrangimento no governo federal as declarações à revista Época do assessor especial da Presidência, Marco Aurélio Garcia, de que o Brasil "aceitaria (conceder asilo a Saddam Hussein) se isso ajudasse a resolver a crise do Iraque, de forma pacífica". A assessoria de imprensa do Planalto fez questão de desmenti-la "peremptoriamente", esclarecendo que o Ministério das Relações Exteriores (MRE) daria maiores esclarecimentos sobre o assunto, negando tal disposição do governo brasileiro.A polêmica declaração de Marco Aurélio foi tema de uma reunião que o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, convocou para o final da manhã deste sábado em seu gabinete, no Itamaraty, com os principais auxiliares. Amorim procurou Marco Aurélio, que estava em São Paulo, para checar o teor das informações que teriam sido dadas por ele, para evitar novo problemas de comunicação no governo.O ministro Celso Amorim, por intermédio da assessoria de emitiu a seguinte declaração: "O assunto não está sendo considerado no âmbito do Itamaraty".A maior preocupação do governo é evitar novos atritos com os Estados Unidos, neste momento, em que a guerra está no auge e o governo brasileiro já mostrou a posição contrária ao ataque, se negando a expulsar os diplomatas iraquianos, como queriam os norte-americanos. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.