Brasil negocia compra de caças usados da Suíça

O Brasil negocia a compra de doze caças F-5 Tiger usados da Força Aérea da Suíça. A informação foi divulgada nesta quarta-feira pelo jornal Le Temps, de Genebra, e confirmada pelos diplomatas brasileiros. Apesar de serem usados, Brasília garante que as aeronaves suíças estão em perfeito estado de conservação e voaram, em média, apenas 2 mil horas. O objetivo da compra seria renovar parte da frota de 48 caças que estão estacionados em Santa Cruz, no Rio de Janeiro, e em Porto Alegre (RS). "Primeira linha" Segundo uma fonte da Força Aérea, o F-5, juntamente com o AMX, são os melhores caças que o Brasil possui hoje, e a idéia de um contrato com o governo suíço seria uma forma de garantir a existência de caças de "primeira-linha" no País. Um dos obstáculos, porém, é o fato de o Brasil procurar aviões de dois lugares, enquanto os caças suíços têm lugar apenas para o piloto. Mesmo assim, autoridades envolvidas nas negociações confirmam que as conversações estão avançadas e que o valor da compra já estaria sendo estudado. Arábia Saudita A outra opção brasileira seria negociar com a Arábia Saudita, que também está oferecendo aviões F-5 a Brasília. Os suíços contam com cerca de 100 caças F-5, e o plano de Berna é se desfazer desses aviões de defesa adquiridos no começo dos anos 80 nos Estados Unidos. Até 2010, a Suíça quer que toda sua frota seja composta de caças F-18. Veto dos EUA Além do Brasil, o governo das Filipinas também mostrou interesse pelos caças usados. No caso das Filipinas, porém, Berna foi obrigada a desistir do contrato diante de um veto dos Estados Unidos, que não gostaram de ver os suíços negociando com o governo de Manila. No caso de uma possível venda ao Brasil, não há objeções nem por parte do governo suíço nem por parte de Washington.

Agencia Estado,

23 Janeiro 2002 | 16h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.