Marinha Argentina, via AP
Marinha Argentina, via AP

Brasil negocia submarinos com Argentina

Operação é citada no acordo bilateral da área de Defesa, assinado em Buenos Aires durante a visita do presidente Jair Bolsonaro

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2019 | 23h10

Brasil estuda a entrega para a Argentina de até quatro submarinos alemães IKL-209, usados e operados pela Marinha há 30 anos. Todos precisam de reparos e modernização. Seria uma forma de compensar rapidamente e a baixo custo a perda do Ara San Juan pelo país vizinho, em 2017, em que morreram 44 tripulantes.

A operação é citada no acordo bilateral da área de Defesa assinado em Buenos Aires, durante a visita do presidente Jair Bolsonaro, pelos ministros Oscar Aguad e Fernando Azevedo e Silva. São mencionados também “a reparação, manutenção e construção” de versões convencionais, de propulsão diesel-elétrica, do mesmo tipo de navios. 

Oficiais ouvidos nesta sexta-feira, 7, pelo Estado consideram a necessidade de conclusão da análise do negócio, iniciada ainda em 2018. Os militares defendem a definição de um valor unitário para os submarinos, na faixa média entre US$ 40 milhões e US$ 50 milhões, e o estabelecimento de protocolos de compensação. Há ainda uma questão a ser resolvida pelo Ministério das Relações Exteriores, o Itamaraty: a reação do Reino Unido, considerada a crise não solucionada envolvendo a soberania do arquipélago das Malvinas, causa de uma guerra de 65 dias, em 1982, que deixou 907 mortos.

Os quatro submarinos Tupy deslocam 1.440 toneladas e medem 61 metros. Levam 36 tripulantes. São armados com torpedos de 533 milímetros e têm autonomia de 15 mil quilômetros. O modelo é da empresa alemã HDW. Engenheiros navais brasileiros usaram o projeto para construir o Tikuna, uma versão maior, com capacidade estendida, em uso desde 2006. Essa unidade não entra na negociação bilateral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.