Brasil oferece tropas à ONU para missão no Congo

A ONU revelou que o governo do Brasil teria entrado em contato com altos funcionários da organização para avaliar a possibilidade de que o País envie soldados para uma missão da ONU na República Democrática do Congo. O Conselho de Segurança da ONU autorizou o envio de uma força internacional de emergência ao país africano, diante da escalada dos conflitos na região. A força internacional, chefiada pela França, será enviada ao distrito de Ituri, no nordeste do Congo, onde um pelotão uruguaio, sob mandato da ONU, se encontra em risco diante das forças rebeldes. Nos últimos dias, conflitos étnicos já mataram cerca de 400 pessoas. O alto comissário da ONU para direitos humanos, Sérgio Vieira de Mello, confirmou que o governo brasileiro entrou em contato com ele para estudar essa possibilidade. Em Nova York, altos funcionários da ONU também confirmam o contato inicial com o governo brasileiro. "Espero que o Brasil envie um contingente, por solidariedade ao Mercosul e ao povo congolês", afirmou Vieira de Mello, que lembra que o pelotão uruguaio está em uma "situação dramática". A iniciativa do Brasil em procurar a ONU para estudar o envio de soldados faz parte de uma estratégia do governo para tentar incrementar sua presença internacional nas forçar de paz. Para muitos, a falta de soldados brasileiros servindo na ONU é um dos pontos negativos na campanha que está sendo feita pelo País para que seja considerado como candidato numa ampliação do Conselho de Segurança. A iniciativa ainda faz parte de uma estratégia do governo de se aproximar dos temas africanos, uma das novidades na política externa do governo Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.