Brasil pede que EUA pressionem Micheletti

Temendo a estagnação do quadro político em Honduras, o Brasil pediu ontem aos EUA que pressionem pela renúncia do presidente de facto hondurenho, Roberto Micheletti, e pelo retorno ao poder do líder deposto, Manuel Zelaya. A sugestão partiu do chanceler Celso Amorim, que telefonou na tarde de ontem para a secretária americana de Estado, Hillary Clinton: "É preciso encontrar, com rapidez, uma solução que permita que a resolução da Organização dos Estados Americanos (OEA) seja cumprida por Honduras, com a volta de Zelaya à presidência", afirmou Amorim, segundo sua assessoria de imprensa.O chanceler argumentou que o diálogo conduzido pelo presidente da Costa Rica, Oscar Arias, tem de continuar, mas com o objetivo de restituir a presidência a Zelaya. Segundo o Itamaraty, Hillary foi receptiva ao pedido de Amorim. Na conversa, ele demonstrou a preocupação do governo com o risco de serem acatadas as condições impostas pelo governo de facto. Na quarta-feira, Micheletti disse que renunciaria, desde que Zelaya não voltasse ao poder.Para o Itamaraty, permitir que um governo golpista imponha condições para sua saída seria um estímulo ao golpismo na América Latina e desmoralizaria a OEA. A diplomacia brasileira avalia a possibilidade da formação de uma coalizão entre o governo de facto e o de Zelaya. Segundo o governo brasileiro, a única alternativa satisfatória para o episódio é a recondução de Zelaya ao poder, até a posse do presidente escolhido nas eleições de novembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.