Brasil pode sediar reunião entre as Farc e a ONU

Brasil poderá ser a sede de uma reunião entre representantes da Organização das Nações Unidas e da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia em breve, para buscar soluções para o conflito armado, segundoinformações do jornal de Bogotá El Espectador. O Brasil é aalternativa a Nova York, já que para as Farc o acordo nãochegaria ao escritório do secretário-geral Kofi Annan. O jornal revela que o assessor especial da ONU para o caso colombiano, James Lemoyne, estaria se comunicando por e-mail com o porta-voz das Farc, Raúl Reyes, para viabilizar o encontro. O governo colombiano não estaria envolvido nas negociações.As Farc entregaram na noite de ontem um vídeo com provas dasobrevivência da candidata à presidência Ingrid Betancourt,seqüestrada há 18 meses. Ela pede resgate militar ecoloca em prova a firmeza do governo de Alvaro Uribe. "Quero pedir a minha família que apóie as forças militares e assuma com elas o compromisso de adiantar as operações de resgate que possam me colocar em liberdade", disse Ingrid em uma gravação filmada na selva e divulgada pela televisão. "O queestou dizendo é duro, mas creio que se queremos plantar a paz naColômbia temos de agir conforme nossos princípios e não emfunção de nossos interesses", afirma Ingrid, vestida com umajaqueta verde de uso militar.As Farc reivindicam um "acordo humanitário" para trocar seusmais de 500 guerrilheiros presos por mais de 60 políticos,soldados e policiais seqüestrados. "Não sou a favor de um acordo humanitário no qual se trocam civis por guerrilheiros, e isto é uma posição de princípio, que quero que minha família compreenda. Sei que é doloroso, mas não podemos aceitar que civis sirvam de escudo para essa guerra",diz Ingrid na gravação. O presidente Alvaro Uribe declarou que vai pensar com cuidado na mensagem de Ingrid. "Tenho que analisar isso com o Ministério da Defesa. Creio que a única resposta do governo é prudência",disse. Já a ministra da Defesa, Marta Lucía Ramírez, declarouque "não se pode duvidar da capacidade e da decisão da forçapública e o resgate é uma ação válida".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.