Brasil propôs alternativa a diretor da AIEA

Brasil propôs alternativa a diretor da AIEA

O chanceler brasileiro, Celso Amorim, disse na terça-feira, no Rio de Janeiro, ao diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano, que o Brasil apoia "uma transação privada" e simultânea do urânio iraniano, como forma de contornar o impasse atual. Yukiya respondeu, entretanto, que a oferta original da AIEA a Teerã ainda "segue na mesa". Ele disse não ter autonomia para aceitar a sugestão brasileira imediatamente e alterar a proposta original. Yukiya afirmou ainda que o Irã deve "esclarecer" as suspeitas de que desenvolve um programa nuclear secreto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.