Brasil quer respeito ao referendo na Venezuela

A apenas quatro dias do referendo revogatório do mandato do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, o governo brasileiro reforça os sinais de que espera que o resultado seja respeitado tanto pelo Palácio de Miraflores como pela oposição. O recado foi reiterado ao longo deste ano pelo Itamaraty e pelo próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos encontros que manteve com Chávez. A expectativa brasileira de que não haja contestações à legitimidade do processo, que vem sendo acompanhado atentamente pelos países vizinhos e por organismos internacionais, responde à preocupação com a estabilidade democrática da América do Sul.Com base em dados colhidos pela embaixada brasileira em Caracas, o Itamaraty avaliava nesta semana que o processo segue o curso previsto e que ambos os lados tendem a acatar a decisão da maioria da população. Em princípio, o Conselho Nacional Eleitoral espera divulgar os resultados do referendo três horas depois de seu encerramento, segundo o jornal El Nacional, de Caracas. O Ministério das Relações Exteriores, entretanto, pondera que um eventual fracasso de Chávez não o retirará necessariamente da Presidência da Venezuela, uma vez que terá a chance de concorrer nas eleições presidenciais que se seguirão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.