WERTHER SANTANA|ESTADÃO
WERTHER SANTANA|ESTADÃO

Brasil recebe vice-presidente dos EUA e deve tratar sobre Venezuela e imigração

Embaixador brasileiro explica que o presidente Michel Temer deverá falar sobre a situação das 49 crianças separadas de seus pais em território americano e a crise venezuelana

Lu Aiko Otta, Brasília, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2018 | 12h52

BRASÍLIA - Com clara prioridade na questão da Venezuela, o vice-presidente americano, Mike Pence, chega nesta terça-feira, 26, ao Brasil para um encontro com o presidente Michel Temer. Mas Pence vai encontrar do outro lado da mesa uma grande preocupação com as famílias brasileiras separadas pelas autoridades migratórias dos Estados Unidos.

+ Trump separa famílias de brasileiros que há anos estão nos EUA

"A visita do vice-presidente Pence tem importância alta", afirmou nesta segunda-feira, 25, o subsecretário geral de Assuntos Políticos Multilaterais, Europa e América do Norte, embaixador Fernando Simas Magalhães. Trata-se da mais alta autoridade dos EUA a visitar o Brasil durante o governo Temer.

A programação de terça-feira prevê uma reunião às 12 horas no Palácio do Planalto e um almoço às 13 horas no Itamaraty. 

Na quarta-feira, Pence estará no Amazonas, onde visitará às 11h15 a Casa da Acolhida Santa Catarina, que atua como um centro de refugiados venezuelanos. Se houver condições climáticas favoráveis, ele fará em seguida um sobrevoo pela floresta amazônica, antes de seguir às 14h30 para o Equador.

+ Vice-presidente da Venezuela está na lista de autoridades do país sancionadas pela UE

"Sem dúvida, Venezuela é um tema da agenda", comentou o embaixador. Ele disse que o Brasil vê "com satisfação" o interesse de Pence em verificar como o País tem lidado com a questão dos imigrantes venezuelanos. 

Segundo o embaixador, Brasil e EUA têm um diálogo no contexto regional. "O que buscamos com os Estados Unidos e outros parceiros regionais dentro do grupo de Lima e outros é o encaminhamento que permita saída democrática para a Venezuela e um olhar solidário da região sobre questões humanitárias", explicou. 

+ Mais famílias brasileiras com crianças tentam emigrar para os EUA

Simas lembrou que os EUA têm contribuído, inclusive financeiramente, com os programas de ajuda aos venezuelanos. No dia 6, a Organização dos Estados Americanos (OEA) iniciou formalmente um processo de suspensão da Venezuela por descumprimento da Carta Democrática Interamericana. A aprovação dessa resolução ocorreu dentro de um "esforço compartilhado" de diversos países, entre eles Brasil e EUA.

Tensão.

O tratamento dos EUA aos imigrantes em situação ilegal em seu território, porém, causou um ponto de tensão na relação entre os dois países. Segundo o Itamaraty, há 49 crianças brasileiras separadas dos pais nos diversos abrigos americanos. Dessas, três estão em vias de serem entregues a um parente que vive lá. Os agentes brasileiros, porém, relatam dificuldade em localizar e contatar as crianças.

Na semana passada, o Itamaraty emitiu uma nota expressando a preocupação do Brasil na efetiva implementação da promessa feita pelo presidente Donald Trump de não mais separar as famílias de imigrantes em situação ilegal. 

"O relacionamento entre Brasil e EUA é profundo, diversificado e atravessa um bom momento", disse o embaixador. "Apesar de dificuldades, a agenda é predominantemente positiva."

Durante a visita dos próximos dois dias, será anunciado o acordo previdenciário entre Brasil e EUA. Já aprovado pelo Congresso, esse acordo permite que trabalhadores contem como tempo de serviço os períodos de trabalho em ambos os países. Esse acordo entrará em vigor no dia 1 de outubro. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.