Brasil reconhece membro das Farc como refugiado

O Comitê Nacional para Refugiados (Conare) reconheceu a condição de refugiado para o colombiano Francisco Antonio Cadena Colazzos, conhecido como "Padre Medina", informou o site Consultor Jurídico nesta quarta-feira. Collazos é guerrilheiro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e é acusado "suposta execução de crimes de homicídio com fins terroristas". Agora, a decisão do Conare será enviada ao Supremo Tribunal Federal, que julga um pedido de extradição de Medina feito pelo governo colombiano em 15 de setembro de 2005. Mas, com a decisão do comitê, o STF deverá arquivar o pedido de extradição. Medina vive no Brasil desde 1997. Em 2005 ele foi detido em São Paulo, pela Polícia Federal, representando a Interpol e desde então está preso no Presídio da Papuda em Brasília.Ele é investigado pela participação no ataque à base do Exército Nacional da Colômbia situado na Cerro Girasoles de Mesetas, no departamento de Meta, em dezembro de 1990 e janeiro de 1991.Segundo o governo colombiano, o guerrilheiro foi responsável pela imprensa das Farc em 1999, quando o grupo realizou negociações com o Governo do então presidente, Andrés Pastrana, em uma área desmilitarizada no departamento de Caquetá, sudoeste do país.Leia mais sobre o assunto no site Consultor Jurídico

Agencia Estado,

19 de julho de 2006 | 22h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.