Presidência da Bolívia / AFP
Presidência da Bolívia / AFP

Brasil rejeita tese de golpe na Bolívia, diz Itamaraty

Segundo nota do Itamaraty, a 'repulsa popular' após tentativa de estelionato eleitoral levou à deslegitimação de Evo como presidente

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2019 | 16h22

BRASÍLIA - O governo do presidente Jair Bolsonaro rejeita a tese de que esteja ocorrendo um golpe na Bolívia e entende que a renúncia de Evo Morales da presidência do país abre caminho para a preservação da ordem democrática, disse o Ministério das Relações Exteriores em nota divulgada nesta terça-feira, 12.

“O governo brasileiro rejeita inteiramente a tese de que estaria havendo um ‘golpe’ na Bolívia. A repulsa popular após a tentativa de estelionato eleitoral (constatada pela OEA), o qual favoreceria Evo Morales, levou à sua deslegitimação como presidente e consequente clamor de amplos setores da sociedade boliviana por sua renúncia”, disse o Itamaraty na nota.

“A renúncia de Evo Morales abriu caminho para a preservação da ordem democrática, a qual se veria ameaçada pela permanência no poder de um presidente beneficiado por fraude eleitoral. O processo constitucional está sendo preservado na sua integralidade na Bolívia”, acrescentou.

No fim de semana, após a Organização dos Estados Americanos (OEA) apontar indícios de fraudes na eleição que teria reeleito  morales para um quarto mandato seguido, o então presidente boliviano convocou novas eleições, mas acabou por renunciar à presidência após o comandante do Exército pedir sua renúncia, alegando que ela era necessária para pacificar o país em meio a protestos violentos.

Para Entender

Crise na Bolívia: Guia para entender a queda de Evo Morales

Após 13 anos no poder, presidente não resiste a pressões das ruas e das Forças Armadas e abandona cargo; veja como isso aconteceu

“O governo brasileiro está pronto a colaborar com as autoridades interinas da Bolívia de modo a contribuir para uma transição pacífica, democrática e constitucional. O Brasil deseja manter e aprofundar sua amizade e cooperação com a Bolívia em todas as áreas”, conclui a nota do Itamaraty./REUTERS 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.