Brasil repudia golpe militar em São Tomé e Príncipe

O Brasil condenou o golpe militar ocorrido em São Tomé e Príncipe, um dos oito países que constam do roteiro preliminar da visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à África, prevista para agosto. Na noite desta quarta-feira o governo não havia confirmado nem descartado a escala presidencial nessa ex-colônia portuguesa localizada no Golfo da Guiné. Por meio de nota oficial, o Ministério das Relações Exteriores pediu aos revoltosos que recuem e restabeleçam a ordem democrática. Ainda informou que os brasileiros residentes do país ?passam bem? e que a situação na tarde de hoje era ?calma?. De acordo com o Itamaraty, a maioria dos brasileiros residentes em São Tomé e Príncipe é composta por religiosos e missionários. Há ainda três técnicos da Agência Nacional do Petróleo (ANP), quatro consultores do Ministério da Educação, e funcionários da Agência de Brasileira de Cooperação. Há também diplomatas já que, neste semestre, o Brasil decidiu abrir uma embaixada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.