Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Brasil, Rússia e EUA: os piores massacres em escolas dos últimos anos

Violência armada em escola na Rússia deixou ao menos sete mortos; episódios têm se tornados mais frequentes

Da redação*, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2021 | 15h45

Pelo menos sete pessoas morreram nesta terça-feira (11) em um tiroteio em uma escola em Kazan, uma cidade no centro da Rússia.  Confira abaixo os principais massacres cometidos em estabelecimentos de ensino nos últimos 10 anos: 

São Paulo, Brasil

Em 13 de março de 2019, dois ex-alunos matam oito pessoas, a maioria estudantes e funcionários, em um colégio de Ensino Médio perto de São Paulo. Ambos se suicidam na sequência.

Crimeia, (território ucraniano ocupado pela Rússia)

Um jovem de 18 anos mata 20 pessoas, entre elas nove crianças, e fere dezenas antes de cometer suicídio em uma escola técnica onde estudava, na Crimeia, em 17 de outubro de 2018.

Texas, Estados Unidos

Dez pessoas, incluindo oito estudantes, são mortas em 18 de maio de 2018 por um estudante americano de 17 anos, armado com uma escopeta e com um revólver em seu colégio em Santa Fé. 

Flórida, Estados Unidos 

Um ex-aluno de 19 anos da escola de Ensino Médio Marjory Stoneman Douglas, expulso por motivos disciplinares, mata 14 alunos e três funcionários em 14 de fevereiro de 2018.

Sandy Hook, Estados Unidos

Em 14 de dezembro de 2012, em um massacre que chocou os Estados Unidos, um homem armado de 20 anos mata sua mãe e, em seguida, ataca a escola de Ensino Primário Sandy Hook, em Connecticut, onde mata 20 crianças de seis e sete anos e seis membros da equipe.

Rio de Janeiro, Brasil 

Um ex-aluno de 24 anos abre fogo em uma escola no Rio de Janeiro, Brasil, matando 12 pessoas e ferindo várias em 7 de abril de 2011, antes de se suicidar./ AFP e NYT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.