Brasil suspende projetos de ajuda

Programas interrompidos incluem o de etanol e os da área de saúde

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

21 de julho de 2009 | 00h00

O governo brasileiro suspendeu todos os programas de ajuda técnica com Honduras como forma de isolar o governo de Roberto Micheletti. Por determinação do governo, a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) interrompeu por tempo indeterminado a ajuda a Honduras, incluindo a da área de etanol. Ontem, a União Europeia também suspendeu sua ajuda de quase US$ 100 milhões.   Veja também: Micheletti quer observadores independentes em Honduras Micheletti: Quem violou a lei não pode voltar ao poder'Ditadura' em Honduras é loucura, diz OEAZelaya encerra diálogo e anuncia 'insurreição'Delegação de Micheletti quer julgar Zelaya em HondurasEntenda a origem da crise política em Honduras  Perfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA No caso do Brasil, os projetos têm um custo muito menor. Mas o congelamento é uma forma de mostrar que não há um reconhecimento do novo governo. O Brasil condenou o golpe no país centro-americano e fez questão de deixar claro que o mais importante era não permitir que esse instrumento fosse estabelecido como um caminho possível na América Latina. Dados obtidos pelo Estado apontam que os seguintes projetos foram suspensos: apoio da Anvisa ao desenvolvimento do sistema nacional de hemoderivados de Honduras, gestão de recursos hídricos, intercâmbio de experiências entre ministérios da Saúde, apoio técnico para a implementação de bancos de leite humano com o apoio do Fiocruz, capacitação em ciências agrárias e ainda outros projetos no setor de alimentos.A ideia de uma missão de especialistas brasileiros na área de etanol também foi suspensa. Em 2007, o Brasil assinou um acordo para a cooperação no setor de biocombustíveis para produzir etanol no país. A ABC não revelou o valor dos programas congelados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.