Brasil tem novo representante para Autoridade Palestina

O embaixador Arnaldo Carrilho apresentou, nesta segunda-feira, suas credenciais ao presidente palestino, Mahmoud Abbas, três meses depois de assumir a chefia do Escritório de Representação do Brasil em Ramallah.A cerimônia foi adiada três vezes por motivos ligados à escalada da violência na região. O último adiamento ocorreu no dia 27 de junho, dois dias depois da captura de um soldado israelense e do início da ofensiva de Israel na Faixa de Gaza.Carrilho, de 69 anos, chega a Ramallah depois de 44 anos de carreira diplomática, dos quais ele passou 34 anos servindo no exterior.O embaixador assume a representação do Brasil em Ramallah em um momento extremamente delicado, no qual a Autoridade Palestina vive uma dualidade de poderes rivais. Com a Presidência nas mãos de Mahmoud Abbas, do Fatah, o governo liderado pelo movimento islâmico Hamas, e uma situação de hostilidade entre as duas forças politicas, será necessária muita diplomacia para dirigir o escritório do Brasil em Ramallah.Em entrevista à BBC Brasil, o embaixador Carrilho disse que pretende lidar com a dualidade de poderes na Autoridade Palestina "sob o ponto de vista estritamente formal" e "como se o posto, no eixo Jerusalém-Ramallah, fosse Paris ou Lima, por exemplo"."Como representante do presidente da República, não tenho como enxergar dualidades e atuar em conseqüência, o que não seria mero pecado venial", afirmou.?O Brasil preconiza a paz e a reconciliação e compreende que, em regimes mistos, ou seja, não exclusivamente presidencialistas nem parlamentaristas, haja períodos de impositiva coabitação ideológica e partidária?, afirmou.De acordo com o embaixador, os cidadãos brasileiros residentes nos territórios palestinos ocupados por Israel "merecem toda atenção possível".O cadastramento eleitoral realizado recentemente pelo escritório da Representação Brasileira em Ramallah revela que na Cisjordânia há cerca de 5 mil palestinos que têm a cidadania brasileira.Muitos deles enfrentam dificuldades de acesso à Representação em Ramallah em decorrência das várias restrições à movimentação da população palestina, impostas pelas autoridades israelenses."É lamentável que a conjuntura de ocupação e separação impeça-nos contatos mais intensos com a maioria dos cidadãos brasileiros", disse Carrilho.Segundo as avaliações da representação brasileira, também há cidadãos brasileiros na Faixa de Gaza, mas as autoridades israelenses proíbem o deslocamento dos residentes da Faixa de Gaza à Cisjordânia, e portanto, esses brasileiros não puderam participar do cadastramento eleitoral."É de se esperar que o processo de paz chegue de fato a bom termo e que gazenses e cisjordanianos tenham garantido o direito de ir e vir, consagrado nas legislações de países livres. Enquanto isso, vou ter aos brasileiros residentes na Faixa de Gaza, tão logo se cumpram as etapas protocolares de minhas apresentações aos governantes palestinos, em Ramallah e Gaza", afirmou o embaixador.Arnaldo Carrilho, que além de ser diplomata tem uma atuação marcante na área do cinema brasileiro e foi presidente da Riofilme de 2001 a 2003, pretende levar o cinema brasileiro a Ramallah."Pretendo divulgar nossas melhores produções audiovisuais, em salas e TVs palestinas", disse ele.Carrilho também pretende continuar desenvolvendo os projetos culturais iniciados por Josal Pellegrino, que chefiou a representação brasileira em Ramallah até sua chegada."Meu antecessor realizou excelente trabalho pioneiro na área cultural. Cito contatos nos meios radiofônicos e teatrais, uns divulgando a MPB, os outros, interessados na experiência do Teatro do Oprimido, de Augusto Boal, que só têm a ver com a situação local. É compromisso meu dar continuidade a esses assuntos".Na área comercial, o novo representante do Brasil para a Autoridade Palestina, pretende estimular a cooperação entre empresários brasileiros e palestinos."Conviria aproximar expoentes da comunidade brasileira de negócios aos homólogos palestinos. Em trânsito para Jerusalém-Ramallah, antes de assumir minhas funções, já mantive encontros preliminares com banqueiros e empresários nesse sentido."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.