Brasil teme que decisão prejudique missão da ONU

O Brasil teme a inclusão do Hezbollah na lista de "organizações terroristas" da União Europeia possa ter impacto negativo sobre a missão de paz da ONU no sul do Líbano (Unifil, na sigla em inglês). A Marinha brasileira lidera desde 2011 o componente naval da força, que conta também com a participação de vários países europeus.

O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2013 | 02h04

As forças terrestres da Unifil operam no sul do Líbano, abaixo do Rio Litani, na região de fronteira com Israel. Essa parte do território libanês, além de todo o Vale do Bekaa, é o principal reduto do Hezbollah. O Brasil tem por missão ajudar a patrulhar as águas da região. / R. S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.