Acervo/Estadão
Acervo/Estadão

Brasil teve movimento similar à Revolução Russa em 1917

Greves contra abusos e por melhores salários levaram País à beira da guerra, impedida por intermediação do ‘Estado’

Wilson Tosta / RIO, O Estado de S.Paulo

07 Novembro 2017 | 05h00

Um protesto de operárias contra preços altos, salários baixos e más condições de trabalho se espalha pelas cidades, degenera em confrontos de rua e assusta os ricos. A narrativa corresponde à do início da Revolução de Fevereiro de 1917, que derrubou o czarismo, mas descreve a greve geral ocorrida no Brasil em junho e julho do mesmo ano.

+ 100 anos da Revolução Russa: um olhar sobre o 'século soviético'

Primeira do gênero no País, a paralisação teve influência do movimento revolucionário russo. Marcou a entrada dos trabalhadores na política nacional e levou ao declínio do sindicalismo revolucionário e à fundação do Partido Comunista do Brasil (PCB) em 1922, segundo o historiador José Luiz del Roio, autor de A greve de 1917 – os Trabalhadores Entram em Cena (2017).

“O anarco-sindicalismo, o sindicalismo revolucionário, era contrário à política, (os anarco-sindicalistas) não queriam participar de partidos, não queriam participar de eleições, não queriam acordos, nem negociações com o Estado”, explica del Roio. “Mas essa greve foi tão imponente e tão grande que necessitou da política. Então, começou aí o declínio da posição anarquista, que era dominante no meio operário brasileiro.”

Acompanhe a viagem do ‘Estado’ pela Rússia, 100 anos após a revolução bolchevique

A conjuntura favorecia a mobilização, que já fora forte no 1º de Maio. O País passava por um surto de industrialização, estimulado pela 1.ª Guerra. O conflito estimulava a substituição de importações e a exportação de manufaturados. As jornadas de trabalho chegavam a 16 horas diárias, sem pagamento extra. O trabalho de mulheres e crianças, com vencimentos mais baixos, era generalizado. Operárias denunciavam assédio sexual. A inflação crescia, alimentos como leite e sal eram caros e adulterados. Empresários italianos  impunham o pagamento de bônus a compatriotas operários, para apoiar o esforço de guerra da Itália.

“As notícias da revolução de fevereiro/março começaram a chegar”, conta o pesquisador.

A origem do movimento foi o Cotonifício Crespi, na Mooca,  na capital paulista. A fábrica pertencia a um italiano, Rodolfo Crespi, e tinha muitas operárias. Mobilizara-se por melhores salários, contra trabalho noturno de crianças, contra o bônus. Um pouco desse clima de mobilização, que precedeu a paralisação, transparece na nota “Operarios em gréve”, publicada por O Estado de S. Paulo em 11 de maio de 1917.

“Continuam em gréve pacífica os operarios da secção de lanificio da fabrica Crespi  e os operarios de identica secção da fabrica Italo-Paulista, à Rua João Boemer”, diz o texto do Estado. “Uma commissão de operarios da fabrica Crespi veio hontem ao escriptorio desta folha para declarar que ainda prosseguirão na attitude assumida, aguardando que a direcção do estabelecimento resolva attendel-os agora no augmento de salários, porquanto já foram attendidos na parte referente ao desconto “Pró-patria”, a que estavam sujeitos.”

“Os operarios da fabrica Italo-Paulista também mandaram uma commissão  a esta folha informar que ainda não foram attendidos e que continuam em gréve pacifica.”

Em 10 de junho, em resposta a uma demissão em massa de trabalhadores em razão de uma série de reivindicações, operárias e  operários pararam a Crespi. Cumulado de encomendas por causa da guerra, que turbinava as exportações, a empresa terceirizou sua produção para outras fábricas. Tentava furar a greve. Os grevistas foram às ruas, pedir que os colegas dessas empresas têxteis também parassem.  

“As fábricas eram bastante próximas umas das outras”, conta del Roio. 

O movimento se espalhou, chegou a outras empresas têxteis. Daí atingiu outros setores e categorias, como, por exemplo, as fábricas de móveis do Brás. Os grevistas, sob liderança de anarquistas – alguns eram espanhóis, italianos - , iniciaram manifestações em frente a fábricas que ainda não tinham parado. A virada veio em 9 de julho quando o sapateiro espanhol José Martínez, de 21 anos, foi baleado e morto pela polícia, durante demonstração diante da fábrica Mariângela, no Brás. 

O cortejo com o corpo de Martínez, com  milhares de pessoas, atravessou São Paulo, até o cemitério do Araçá, no dia 11. Transformou-se em amplo ato de protesto. Em clima tenso, era observado por soldados armados. Terminado o enterro, a multidão se deslocou para o pátio da Sé, onde ocorria um comício.

“Emquanto se realizava o meeting, uma multidão de grevistas, calculada em milhares de pessoas, percorria em gritos sediciosos as ruas do Braz, indo assaltar os estabelecimentos fabris que funcionavam áquella hora, conseguindo assim, por meio da violencia, a adhesão  de outros milhares de operários”, afirmou O Estado de S. Paulo em 12 de julho de 1917.

Manifestações e confrontos com a polícia se alastraram pela cidade. O comércio fechou, os grevistas assumiram o controle do serviço de bondes. A polícia, aparentemente, não tinha mais força para enfrentar os manifestantes. Em 11 de julho, eram 20 mil os trabalhadores em greve e 54 as empresas paradas em São Paulo. Quatro dias depois, havia 100 mil grevistas. Padeiros, telegrafistas, alfaiates – todos paravam.

A repressão aumentou: centros operários foram invadidos, e líderes grevistas, presos. Formou-se uma liderança clandestina, o Comitê de Defesa Proletária, integrado por sete jornalistas. Os líderes elaboraram uma pauta geral de reivindicações, que passou a nortear o movimento. A greve se fortaleceu e chegou ao interior do Estado, ao Distrito Federal e até a Curitiba e Porto Alegre. Assumia a feição de pré-revolução operária.

O governo do presidente Venceslau Brás resolveu, então, mobilizar as Forças Armadas. Preparou-se para mandar tropas do Exército descer o Vale do Paraíba, rumo a capital paulista. Também queria deslocar navios de guerra para Santos. O País se aproximava da guerra civil.

“As mulheres então lançaram um manifesto, “Apelo aos Soldados”, que era quase uma cópia do manifesto lançado pelas operárias de Petrogrado na Revolução de Fevereiro/Março”, contou del Roio.

Os grevistas controlavam as ruas.  A repressão, apesar de violenta e com várias mortes, parecia não funcionar. A liderança anarquista se recusava a negociar com o Estado, que considerava assassino, e com os patrões.  

Foi quando um grupo de jornalistas, por sugestão do jornalista Nereu Rangel Pestana, formou uma comissão de intermediação. Tinha representantes de O Estado de S. Paulo (em cuja sede se reuniam), A Nação, Diário Espanhol, Germania, Diario Allemão, Combate, Il Piccolo, A Capital, Gazeta, Diario Popular,  Jornal do Commercio e Correio Paulistano.

Formada em 13 de julho, a comissão reuniu-se no dia seguinte primeiro com representantes das indústrias na redação do Estado. Os empresários se comprometeram a manter um aumento de 20% de salários; não demitir nenhum grevista; respeitar o direito de associação dos operários; pagar os salários na quinzena seguinte ao mês trabalhado; e acompanhar com “a máxima boa vontade as iniciativas que foram tomadas no sentido de melhorar as condições moraes, materiaes e economicas do operariado de São Paulo”.

No mesmo dia, após reunião com representantes do Comitê de Defesa Proletária, a comissão levou ao presidente (governador) do Estado pedidos dos trabalhadores. Conseguiu o compromisso de libertação imediata, após a volta ao trabalho, de todos os grevistas presos em razão do movimento que não respondessem por crimes comuns.

O governo também reconhecia o direito de reunião; se comprometia a fazer valer a legislação do trabalho de menores de idade; prometia estudar e votar medidas para defender menores de 13 anos e mulheres de trabalho noturno; afirmava que estudaria medidas para baixar os preços dos gêneros de primeira necessidade; e se comprometia a impedir a adulteração de alimentos.

Do prefeito da capital, a comissão obteve o compromisso de aumentar o número de mercados municipais e fazê-los funcionar duas vezes por semana. Em 15 de julho, em nova reunião na redação do Estado, o Comitê de Defesa Proletária aceitou o acordo. Ficou acertado que a volta ao trabalho ocorreria no dia 17. Um comunicado narrando o que fora acordado foi publicado nos jornais.

O movimento, porém, ainda continuou fora de São Paulo por alguns dias. Também houve casos em que o acordo não foi cumprido em algumas empresas. Mesmo assim, a sensação dos grevistas foi de vitória, ainda que relativa.

“No Largo da Concórdia, no Brás, onde, pela primeira vez em público, em massa, os trabalhadores cantaram a Internacional”, resumiu del Roio.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.