Brasil transfere diplomatas e embaixador de Kiev por causa de riscos da guerra na Ucrânia

Brasil transfere diplomatas e embaixador de Kiev por causa de riscos da guerra na Ucrânia

Ação tem o objetivo de melhorar o atendimento aos brasileiros que tentam escapar do país

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2022 | 01h04

Brasília - O Itamaraty informou na noite desta terça-feira, dia 1º, que realocou diplomatas acreditados em Kiev para duas bases de apoio temporárias, a fim de melhorar o atendimento aos brasileiros que tentam escapar da guerra na Ucrânia. Na prática, a medida implica no deslocamento do embaixador Norton Rapesta e da equipe para fora de Kiev, capital ucraniana e principal alvo da ofensiva do exército russo.

Os dois novos escritórios consulares temporários ficarão em Lviv, próxima à fronteira da Ucrânia com a Polônia, e em Chisinau, capital da Moldávia. “Por força da deterioração da situação de segurança em Kiev, embaixadas de vários outros países têm igualmente estabelecido missões de apoio fora da capital da Ucrânia, sobretudo em Lviv”, explicou o Ministério das Relações Exteriores.

O Estadão apurou que a embaixada deixou de ser frequentada pelos diplomatas, apesar de oficialmente não ter sido fechada por completo. Ela continua “operacional”, mas os diplomatas brasileiros estão trabalhando remotamente, por segurança, a distância.

Em Brasília, o Itamaraty justificou que os diplomatas vão focar no atendimento consular mais próximo e presencial aos brasileiros que se dirigem à fronteira, onde há mais demanda. A embaixada continuará prestando assistência consular por telefone e por meio da internet e redes sociais.

Ao todo, oito diplomatas foram transferidos de postos no exterior para Varsóvia, na Polônia, a fim de auxiliar na operação de retirada. Parte deles irá ao novo posto em Lviv. Servidores do Ministério da Defesa também cooperam. Mais de 100 brasileiros conseguiram deixar o território ucraniano, principalmente em viagens de trem com assistência da embaixada ou por conta própria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.