Brasil vai liderar grupo dos Amigos da Venezuela

O Brasil foi indicado para ser o líder do Grupo de Amigos da Venezuela pelo proprio governo dos Estados Unidos. Segundo o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, o secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, foi ligou para o ele pedindo que o País liderasse a mediação da crise na Venezuela. "Disse que aceitaria, se todos os países que fazem parte do grupo concordassem. O que o Brasil esta fazendo é assumir o papel que os outros acreditam que nos cabe", afirmou Amorim à Agência Estado. Na reunião realizada há dois dias em Washington, o Brasil foi escolhido para presidir o Grupo de Amigos, que irá tentar mediar a crise institucional que toma conta da Venezuela desde o início do ano. Segundo o ministro, a primeira providência será criar condições para que algumas greves, como a do setor de educação, sejam solucionadas. "Nosso objetivo é tentar interromper, em um primeiro momento, as greves que atingem o setor social", explicou Amorim. Amorim ainda garantiu que o grupo ira respeitar a soberania da Venezuela, seja qual for o plano de açao determinado pelos mediadores para tentar solucionar a crise. O ministro também afirmou que o secretário geral da ONU, Kofi Annan, irá provavelmente apontar um representante das Organização Nações Unidas (OEA) que fará parte do Grupo de Amigos. Outra possibilidade será a de escutar o que o ex-presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, tem a propor. "Vamos avaliar e ver se poderemos adotar suas recomendaçoes", disse o ministro. A próxima reunião do Grupo ocorrerá no dia 31 de janeiro, em Caracas, e pode continuar por vários dias. "Vemos um clima mais propício nos ultimos dias na Venezuela. Não podemos deixar que essa situação descarrilhe e que a violência volte ao país", concluiu Amorim, ao passar por Zurique em direção a Davos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.