Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Brasileira abrigou crianças em plantação durante terremoto

A missionária está em Katmandu desde fevereiro como representante de um projeto que ajuda 151 meninas em risco social

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

29 de abril de 2015 | 18h48

SOROCABA – A missionária brasileira Loani Rossi, de 32 anos, moradora de Piracicaba, interior de São Paulo, abrigou um grupo de meninas numa plantação durante o terremoto que atingiu o Nepal no sábado (25). Quando a terra começou a tremer ela só teve tempo de retirar as crianças da casa, em Katmandu, capital do país, e correr com elas para o campo.

A rápida ação pode ter salvado as crianças, pois algumas partes do prédio caíram.“Passamos a noite sobre alguns tapetes, no meio das plantas. Chovia e fazia muito frio, por isso nos enrolamos em cobertas e ficamos juntas uma das outras.”


Uma manta plástica foi estendida sobre a cabeça das meninas, mas a chuva e o frio entravam pelas laterais, segundo ela. “Doeu muito em meu coração o sofrimento daquelas crianças, mas ali elas estavam mais seguras do que dentro de casa. Queria que tudo não passasse de pesadelo, mas é tudo tão real.” 

A missionária está em Katmandu desde fevereiro como representante de um projeto que ajuda 151 meninas em risco social – possíveis vítimas do comércio sexual. O projeto mantém quatro casas em Katmandu.

Preocupada em socorrer as crianças, ela demorou a fazer contato com a família, em Piracicaba, deixando os familiares em clima de tensão com a falta de notícias. “Agora estão todos sabendo que foi por uma causa boa”, afirmou, em rede social. 

Loani não pensa em retornar já para o Brasil. “Claro que desejo muito ver minha família, mas só vai ser possível daqui a dois anos. Agora é aqui que precisam de mim e tenho muito trabalho a fazer”, revelou. 

Tudo o que sabemos sobre:
NepalLoani Rossi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.