Brasileira conta pelo Orkut como sobreviveu à onda gigante

As mensagens preocupadas começaram a aparecer na página do Orkut da jornalista capixaba Giulyanna Cipriano Loureiro assim que as primeiras notícias do maremoto correram o mundo."Ô guria, fiquei sabendo agora do terremoto na Indonésia que resultou em ondas aí para o Sri Lanka..Tu tá bem?", escreveu seu amigo Pietro às 7h59 do domingo, quando poucos no Brasil de ressaca pós-Natal tinham tomado conhecimento da catástrofe.Do outro lado do mundo, na praia de Unawatuna, no Sri Lanka, Giulyanna despertava num susto, numa manhã diferente de todas as outras.Água na janela"Eu estava dormindo quando ouvi um estrondo e vi muita água por debaixo da porta", contou ela à BBC Brasil. "Eu acordei e comecei a colocar as coisas em cima da cama. Quando olhei a janela, a água estava no nível da janela. Eu tentava abrir a porta e não conseguia."Giulyanna, de 25 anos, participa de um programa de intercâmbio cultural no país. Mantém contato com os amigos no Brasil pela internet: e-mail, MSN Messenger, a comunidade virtual Orkut e por meio de um blog de fotos.A aflição e o alívio dos amigos e familiares dela ficou documentado na rede de computadores. "Diz que você tá viva porque as notícias dos jornais não são nada agradáveis! Espero que esteja tudo bem contigo!", escreveu a amiga Carla.Como sobreviveuNo Sri Lanka, Giulyanna escapava por pouco: "Gritei o nome do dono da pousada desesperada e ele chutou a porta e abriu. A gente subiu para o segundo andar da pousada"."Até aí a gente não sabia se era um carro-pipa que tinha estourado. É difícil acreditar que tenha sido a água do mar."Foi só quando conseguiu escapar da praia que Giulyanna teve dimensão da tragédia. "Tive que andar uns três quilômetros pela costa antes de ir para a capital. E se viam corpos pelo chão, cachorros chorando, as pessoas não sabiam o que fazer."AlívioAssim que chegou a um lugar considerado seguro, Giulyanna pediu um celular emprestado a uma amiga e telefonou para o pai em Vitória (ES). Disse que estava bem e que não se preocupasse.Foi só depois de chegar à capital Colombo e encontrar acesso à internet que Giulyanna pôde finalmente tranqüilizar a todos com mensagens no Orkut e em seu fotoblog."Estou bem e sem nenhum arranhão. Ainda não vi notícias na TV, internet...vou fazer isso agora. Mando mais notícias assim que puder. E até agora não pensei em voltar. Nem por um vôo grátis...", escreveu ela no Orkut."Estar aqui eh muito mais q isso. Meu santo eh forte e ta comigo. SEMPRE. e eu acredito muito neles todos. Q vcs tb fiquem com deus e rezem pra essa gente aqui...(vcs acreditam q eles ainda sorriem?)"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.