Brasileira morre em ataque a reduto do Hezbollah em Beirute

Paranaense de 17 anos está entre as 5 vítimas; ao menos 66 pessoas ficaram feridas em atentado na capital libanesa

Tereza Fischer ESPECIAL PARA O ESTADO / FOZ DO IGUAÇU,

02 de janeiro de 2014 | 20h57

A brasileira Malak Zahwe, de 17 anos, está entre as cinco vítimas da explosão de um carro-bomba nesta quinta-feira, 2, em Beirute, capital do Líbano. Nascida em Foz do Iguaçu, no Paraná, a jovem fazia compras com a madrasta, Iman Mohamed Hijazi, no bairro onde ocorreu o atentado, que deixou 66 feridos. Iman, que é libanesa, também morreu.

Criada em Foz do Iguaçu, Malak mudou-se para o Líbano com a família quando tinha 13 anos. O pai decidiu deixar a fronteira para trabalhar e ficar perto de parentes. Um dos primos de Malak, Mohamed Zahwe, disse que a jovem tinha planos para voltar a morar no Brasil. "Foi um ato terrorista. Estamos muito arrasados", disse.

Malak morava perto do bairro de Haaret Hreik, onde a explosão ocorreu. Ela e a madrasta tinham acabado de sair de uma loja, onde compravam comida, quando o carro-bomba explodiu. A jovem deixou três irmãos mais novos e a mãe, divorciada do pai, que também mora no Líbano. Alguns amigos souberam do atentado pela TV. Parentes mais próximos foram informados por telefone. Parentes e amigos da adolescente fizeram uma vigília na tarde de ontem em memória de Malak e das demais vítimas.

Destruição. Vários veículos foram destroçados pelo impacto – ferragens retorcidas se espalharam pela rua diante de edifícios cujas fachadas também foram destruídas. O ataque ocorreu menos de uma semana após o ex-ministro das Finanças Mohamed Chatah, um opositor do Hezbollah, ter sido assassinado com outras seis pessoas, na explosão de um carro-bomba em Beirute.

O conflito na Síria tem elevado as tensões sectárias no Líbano. O Hezbollah tem enviado combatentes ao país vizinho para reforçar as tropas leais ao ditador Bashar Assad, enquanto os sunitas têm ido para a Síria lutar ao lado dos rebeldes.

A bomba foi detonada às 16 horas, quando as ruas estavam tomadas pelo tráfego. Um cinegrafista da Reuters disse que membros do Hezbollah atiraram para cima para dispersar a multidão, temendo mais explosões. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.