Brasileira que matou filho na Argentina comete suicídio

Ela confessou ter matado o filho de seis anos afogado em uma banheira

MARINA GUIMARÃES, CORRESPONDENTE, Agência Estado

16 de abril de 2012 | 10h38

BUENOS AIRES - Morreu na madrugada desta segunda-feira a brasileira Adriana Cruz, a mulher que confessou ter matado seu filho de seis anos afogado em uma banheira, na casa onde viviam, na Argentina. Adriana, que estava presa desde o dia 21 de março, morreu depois de tentar se enforcar com uma meia ontem à noite, no banheiro do presídio, segundo relato do juiz responsável pela causa, Juan Pablo Masi, à imprensa local.

Adriana chegou a ser hospitalizada após sofrer uma "parada cardíaca e dano cerebral irreversível", como resultado do enforcamento, mas faleceu por volta das 5h30 da manhã (horário de Brasília), informou o diretor do hospital, Egídio Meliá.

Adriana, que tinha 46 anos, havia sido presa um dia após ter matado o filho Martín Vázquez na mansão onde residiam, em um bairro fechado perto de Buenos Aires, no município de San Vicente. Quando foi detida, ela disse a um canal de televisão que tinha matado o filho para vingar-se do marido argentino, de quem estava se divorciando. Adriana tinha outras duas filhas adolescentes.

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinabrasileirasuicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.