Brasileiras serão extraditadas da Espanha

As irmãs brasileiras Kelly Cristina e Cassia Maria da Silva foram presas há dez dias na Espanha, em conseuquência de pedido de extradição feito pelo Brasil. Elas são acusadas de aliciar mulheres no Brasil para se prostituírem no exterior.Os pais de Kelly e Cassia, o marido de uma delas e outras duas pessoas da quadrilha já tinham sido presos em flagrante, no aeroporto do Rio de Janeiro, em fevereiro do ano passado. O governo brasileiro também quer a extradição de Miguel Angel Lopez Lopez, que também faz parte da quadrilha e cuja a cidadania seria espanhola.Entre os inúmeros relatos de vítimas (inclusive menores de idade) e parentes dessas mulheres, prestados no processo que tramita na 2ª Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro, há detalhes da atuação da quadrilha.Uma das vítimas informou que Lopez as obrigava a fazer programas e ameaçava de morte quem se recusasse a cumprir a determinação, contou nesta segunda-feira a chefe da Divisão de Medidas do Departamento de Estrangeiros do Ministério da Justiça, Isaura Maria Soares Miranda. Isaura diz que algumas mulheres vão enganadas para o exterior, outras conscientes. Segundo ela, os aliciadores fazem promessa de enriquecimento fácil e rápido.Segundo ela, na maioria dos casos, as mulheres que embarcaram com essas quadrilhas tiveram seus passaportes retidos pelos aliciadores e vivem em cárcere privado. Segundo o Ministério da Justiça, com base em dados da Organização das Nações Unidas, existem hoje na Europa 75 mil brasileiras que vivem da prostituição.Desse total, 95% das mulheres foram traficadas e vivem de forma humilhante. O tráfico de seres humanos só fica atrás do de drogas e armas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.